jusbrasil.com.br
25 de Junho de 2018

Eike Batista: uma síntese da bandidagem político-empresarial brasileira

Luiz Flávio Gomes, Professor de Direito do Ensino Superior
Publicado por Luiz Flávio Gomes
ano passado

https://www.youtube.com/embed/Nx2eBgEwZfcLEIA O ARTIGO:

Eike Batista é o retrato fiel da bandidagem político-empresarial corrupta que confiava piamente (até o final de 2016) num grande “acordão” das elites de todos os poderes para enterrar a Lava Jato.

Os donos cleptocratas do poder diziam: “Com a prisão do Lula a operação está de bom tamanho”. É preciso “estancar a sangria” (Jucá).

Três foram as tentativas (no 2º semestre de 2016) de aprovar um “anistião” (uma lei de anistia, pelo menos do caixa dois). Operações sem êxito. A anistia continua sendo um sonho de consumo.

No dia 30/11/16, quando a Câmara trucidou (triturou) as dez medidas anticorrupção (medidas já bastante expurgadas no relatório final do deputado Onyx Lorenzoni), ainda era enorme a confiança da bandidagem na sua vitória. O ministro Fux anulou essa votação (mas sua decisão ainda depende da convalidação do Plenário do STF).

A certeza da impunidade das castas aumentou quando o crime organizado político-empresarial (com intervenções de Gilmar Mendes, FHC, Aécio, próceres do PT, como o senador Jorge Viana, e toda cúpula do PMDB, incluindo Sarney, Temer etc. – ver Veja) conseguiu o grande “conchavão” no STF (em 7/12/16), para manter o réu Renan na presidência do Senado.

Neste princípio do ano 2017 caiu a ficha da bandidagem que está em guerra com o império da lei: ela percebeu que a Lava Jato se transformou na maior operação policial-judicial em andamento do mundo.

Ela conta com um arsenal probatório inimaginável: 1,2 milhão de gigabytes estão sendo processados. E uma tonelada de delações importantes estão para vir a público.

Mais: vários países do planeta (a começar pelos EUA – departamento de Justiça e SEC – e Suíça – Ministério Público, além de Panamá, Peru, Equador, Argentina etc.) estão investigando as empresas e os políticos brasileiros envolvidos em corrupção (estão sendo escrutinadas sobretudo suas contas bancárias).

A bandidagem político-empresarial já começa a lutar claramente pela sua sobrevivência (política e econômica). Estão querendo interferir diretamente na escolha do novo relator para a Lava Jato assim como na nomeação do novo ministro. São postos muito estratégicos.

A prisão de Eike Batista é uma bomba na cabeça da bandidagem em guerra, porque ele já iniciou suas delações contra o PT, PMDB e PSDB.

Propinas obtidas mediante contratos públicos favorecidos ou fraudados foram doadas para todos esses partidos.

A promiscuidade desse empresário falido com o mundo político e partidário é o espelho da falência do sistema.

A carreira privilegiada e criminosa de Eike Batista

1) O Brasil é, por tradição, um país extrativista (saqueador), cleptocrata e sistemicamente corrupto (desde 1500). Para conhecer por dentro as relações de poder que privilegiam uns poucos (elites/oligarquias) em detrimento dos muitos, vale a pena repassar a história de “sucesso favorecido” de Eike Batista.

2) Em 2012, Eike era o 8º bilionário mais rico do mundo (Agência Bloomberg e Forbes).

A revista Veja (18/1/12) afirmou: “É um grupo que trabalha muito, compete honestamente, orgulha-se de gerar empregos e não se envergonha da riqueza”.

3) Era mais uma propaganda enganosa, que custou milhões de reais aos acionistas minoritários das empresas EBX. A historiografia, com certeza, vai registrar mais um “aventureiro extrativista”, que se valeu dos seus contatos políticos para se enriquecer (e gerar danos sociais incomensuráveis).

4) Pela delação (em curso) de Mônica Moura e pela confissão dele mesmo sabe-se que parte daquela fortuna do “campeão nacional” (conquistada em grande medida pelo acesso fácil ao dinheiro público) foi parar nas contas no exterior do casal (Mônica/João Santana), para pagamentos de campanhas eleitorais durante o período lulopetista.

5) O financiamento de campanhas (de forma lícita ou ilícita), de qualquer modo, é a via mais rápida para se buscar um plus de enriquecimento politicamente favorecido e/ou cleptocrata. No seu depoimento Eike informou que também deu propinas para o PMDB (sobretudo para Cabral, no RJ) e para o PSDB.

6) O conglomerado “campeão nacional” EBX surfou na onda do boom das commodities. A empresa OGX prometia produzir muito petróleo e vencer a Petrobras (ambas, hoje, estão “falidas”). Criou-se o estaleiro OSX, que transportaria minérios da MMX. Os navios precisavam de ancoragem; aí veio a LLX com o “superporto” de Açu. Havia ainda empresas na área de energia (MPX), carvão (CCX) e muitas outras (ver Marcos Mendes, Por que o Brasil cresce pouco?).

7) Acesso privilegiado ao dinheiro público subsidiado: O modelo institucional extrativista brasileiro, desde os seus primórdios colonialistas e neocolonialistas, é pródigo em fazer brotar fortunas bilionárias (parcial ou totalmente) favorecidas pelo acesso privilegiado das elites/oligarquias econômicas e políticas ao dinheiro público do BNDES, da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, fundos de pensão etc. (leia o livro “Por que o Brasil cresce pouco?”, de Marcos Mendes).

8) “No governo Lula, empresas do grupo EBX obtiveram do BNDES autorização para empréstimo ou aquisição de ativos que somaram R$ 10,4 bilhões, dos quais R$ 6 bilhões foram efetivamente liberados, de acordo com o banco” (leia o livro “Por que o Brasil cresce pouco?”, de Marcos Mendes).

9) Em 1/7/13 começou o colapso do grupo EBX e suas empresas passaram para o controle dos bancos. Eike Batista está respondendo a três processos criminais (crimes contra o mercado financeiro, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro), além de 22 processos administrativos na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

10) Diante da delação de Mônica Moura (mulher de João Santana) e da sua própria confissão poderá também agora se sujeitar à jurisdição de Curitiba (Moro): fez pagamentos no exterior (caixa dois) em benefício de campanhas eleitorais (do PT, por exemplo). Também se sabe que ele contribuía com as campanhas do PMDB e do PSDB. Suas propinas eram democráticas. São hecatômbicas as provas da sua corrupção institucional.


Vídeo tira dúvidas... Eike Batista, Morte do Teori e lava jato.

https://www.youtube.com/embed/T1Q_f6aA2rE

29 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Guardo três pensamentos que acho primorosos acerca da riqueza. Repasso-os para a reflexão dos colegas:

"Os ricos só fazem o mal porque o povo lhes estende o pescoço."
George Sand

“Há muitas ocasiões em que os ricos e poderosos invejam a condição dos pobres e insignificantes.”
Marquês de Maricá

"A maior desgraça de uma nação pobre é que em vez de produzir riqueza, produz ricos."
Mia Couto continuar lendo

Ricos ou pobres jamais foram o problema.

Inclusive um dos grandes defeito da maioria dos brasileiros é a vontade que têm de que os compatriotas tenham menos do que ele, o que me parece recorrente na maioria dos "pensadores" citados.

O cerne da questão para o Eike e talvez para o Chico é a impunidade para quem transgride, seja o infrator pobre ou rico. continuar lendo

Concordo, Silvio Alexandre. O problema não é ser rico. O problema é a ambição desmedida, a ponto de subjugar os interesses de um país exclusivamente ao locupletamento próprio e da companheirada, A esse propósito, Maquiavel ensinou que "todos os Estados bem governados e todos os príncipes inteligentes tiveram cuidado de não reduzir a nobreza ao desespero, nem o povo ao descontentamento." O PT fez tudo ao contrário e deu no que deu. Valeu seu comentário. continuar lendo

O problema não é rico ou riqueza, o problema é a impunidade. continuar lendo

Ricardo Fausto Becker:
As pessoas são diferentes, pensam diferente, agem diferente e é natural que alguns obtenham mais resultado que outros e além de normal, justo.
O que se faz necessário é a presença do estado "administrando" esse crescimento, (administrar não é igual a associar-se indevidamente) sem esquecer entretanto que estamos em meio à globalização e se nos tornarmos restritivos demais, estaremos fora das pretensões de qualquer investimento.
Por isso, a riqueza de alguns acaba se tornando interessante ao país, que passa a ser visto como viável aos novos empreendimentos.
Por isso, o pensamento contrário à riqueza é o mais puro substrato do socialismo, onde apenas governantes e seus adeptos atingem riqueza plena.
Com isso, coloco-me contrário ao pensamento de Mia Couto e discordante da frase proferida por George Sand, porque a relação que ele estabelece não tem uma lógica aplicável.
Quanto ao apontamento do Marquês de Maricá, ainda não cheguei ao ponto de sentir inveja de ninguém... continuar lendo

Para José Roberto,

Quanto a George Sand, vale esclarecer que se trata do pseudônimo de Amandine Aurore Lucile Dupin, baronesa de Dudevant Foi uma escritora francesa do século XIX e teve uma vida complicada, porém bastante produtiva do ponto de vista intelectual. Com relação ao pensamento de Mia Couto, penso se tratar de uma grande sacada, pois quando ele se refere a ricos está a croticar a cleptocracia reinante nos países africanos e não o empreendedorismo saudável. O pensamento de Mia Couto guarda, ademais, coerência com as conclusões de Adam Smith em sua famosa obra “A Riqueza das Nações”. A obra de Smith é, por sua vez, um clássico da economia-política. Pode ser baixada gratuitamente na Internet. Segue o link para quem se interessar. Forte abraço.

https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/69198/mod_resource/content/3/CHY%20A%20Riqueza%20das%20Na%C3%A7%C3%B5es.pdf continuar lendo

Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína". I Timóteo 6:9 continuar lendo

Se a justiça realmente funcionasse em nosso país, 1/4 da população brasileira estaria na cadeia.Eu inclusive. continuar lendo

Está mais do que provado, mundialmente e historicamente, que quanto mais dinheiro a pessoa tem, mais vulnerável fica. Quanto à farra da ciranda do dinheiro público, a gente tem que primeiro eleger parlamentares patriotas e mudar as leis e o controle. continuar lendo

A maior prova disso é que quando Yuri Bezmenov desertou ele conseguiu ficar no animato como Hippie na Índia até as buscas por ele cessarem. continuar lendo

Eike se orgulhava dessas propinas e falava abertamente sobre elas.

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/antes-de-acidente-cabral-viajouabahia-em-jatinho-de-eike-batista/

"Tive satisfação em ter colocado meu avião à disposição do governador Sergio Cabral, que vem realizando seu trabalho com grande competência e determinação. Não tenho qualquer espécie de contrato de prestação de serviços com o governo e nem recebo pagamentos do Estado. Sou livre para selecionar minhas amizades, contribuir para campanhas políticas, trazer as Olimpíadas para o Rio, apoiar a implantação das UPPs, patrocinar o RJX e auxiliar a realização de diversos projetos sociais e culturais do Estado. Faço tudo com dinheiro do meu bolso e me orgulho disso!"

http://odia.ig.com.br/portal/rio/eike-batista-esclarece-empr%C3%A9stimo-de-avi%C3%A3o-para-s%C3%A9rgio-cabral-1.31927 continuar lendo

Continuasse o governo PT e o Lulinha seria o próximo Eike "Lula" Batista.
Com toda a sua "genialidade" empresarial sabe-se lá até onde chegaria.
Na verdade, não existe espanto. Tudo faz parte do mesmo pacote da corrupção e suas ramificações.
De resto, melhor viajar de carro blindado ou navio. continuar lendo

Concordo! Talvez tenhamos perdido a oportunidade de ver concretizada a "liofilização" do "produto interno" de elefante. Seria um avanço tecnológico digno de "banânia" cubanizada. continuar lendo