jusbrasil.com.br
25 de Setembro de 2021

Nova lei das telecomunicações... Roubo legalizado.

Luiz Flávio Gomes, Político
Publicado por Luiz Flávio Gomes
há 5 anos

13 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Prof. candidate-se a SENADOR precisamos de uma voz como o de V. Exa. no senado!!!! continuar lendo

O problema é quando passam a exercer um cargo público.... continuar lendo

Bravo! Bravíssimo!!
Corrupto FOra,Cadeia Já !!!
A Sociedade Civil Deve Fazer Manifestações Pùblica,Urgentemente!!!!
Avante Brasil !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! continuar lendo

Eu proponho uma greve geral com dimensões nacionais.

Cada empresa que assuma os prejuízos causados por sua má administração.

Qualquer cidadão quando faz um investimento ruim, deve arcar com seus prejuízos.

O Temer NÃO pode sancionar essa lei, senão haverá uma revolução nessa sociedade.

Vou compartilhar nas redes sociais. continuar lendo

Pensar que esse programa de privatização das telefonias foi implantado na época do FHC, com o propósito de dar eficiência ao serviço! A telefonia no Brasil quebrou, isso prova que não é só o setor público que está sujeito à corrupção e ineficiência, mas o rombo desta lei (105 Bilhões), daria para sanar o déficit na Previdência! É um verdadeiro paradoxo: no discurso se diz que o Brasil tá quebrado. Afinal tá quebrado prá quem? continuar lendo

lembrando que a única mudança foi de monopólio estatal para privado, quantas empresas de telefonia fixa existem no estado de SP mesmo? continuar lendo

Monopólios à parte, já que passaram-se vários governos esquerdistas incluindo FHC, Lula e Dilma e continua na mesma nesse quesito, é importante salientar que se tudo fosse do jeito que estava continuaríamos pagando o preço de um carro para ter acesso ao serviço de telefonia em nossas casas e empresas.

Mas é óbvio que tudo poderia ser diferente se tivesse sido feito por cidadãos competentes e centrados nos interesses do estado. A começar por esses imóveis que são usados sem ônus pelos operadores há tempos e agora serão dados como oferenda. Eles deveriam ter sido colocados a venda através de leilão unitário para quem interessado fosse. Se o operador entendesse que deveria comprar, bastaria faze-lo, senão pagaria aluguel para quem o fizesse ou mudaria as instalações dentro de sua dinâmica de negócio.

de fato privatizado de uma forma séria e vendido em lotes seria muito mais efetivo, mas é óbvio que ai não caberiam oportunidades para dilapidar o erário. continuar lendo

Não é a primeira vez. A privataria de FHC foi repleta deles. continuar lendo