jusbrasil.com.br
28 de Fevereiro de 2020

Áudio de Renan revela “pistas” da operação “Abafa Tudo”. Houve conversas com Folha e Globo. Como funciona o jogo do poder?

Luiz Flávio Gomes, Político
Publicado por Luiz Flávio Gomes
há 4 anos

udio de Renan revela pistas da operao Abafa Tudo Houve conversas com Folha e Globo Como funciona o jogo do poder

Renan Calheiros (PMDB-AL), em áudio gravado pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, falou de várias pistas e ideias para levar adiante a Operação Abafa (a Lava Jato e o impeachment). Seguem alguns trechos das falas de Renan (transcritos por Rubens Valente, Folha):

1) [A situação tá] “grave e vai complicar. Porque Andrade fazer [delação], Odebrecht, OAS. Todos vão fazer [delação]” [Executivos da Andrade Gutierrez já fizeram delação e detonaram a campanha eleitoral de Dilma-Temer de 2014; Odebrecht e OAS estão em fase de negociação];

2) [Eu conversei com a Dilma – referindo a um “acordão” para mantê-la presidente] “Ela continuar presidente, o Michel assumiria e garantiria ela e o Lula, fazia um grande acordo. Ela tem três saídas: licença, renúncia ou impeachment. E vai ser rápido. A mais segura para ela é pedir licença e continuar presidente. Se ela continuar presidente, o Michel não é um sacana” [Fala-se expressamente em “acordo”, garantias para Dilma e para Lula, Michel garantiria tudo isso; o exercício do poder no Brasil sempre foi extrativista e cleptocrata; todos procuram se garantir para a preservação do “sistema”, que está programado para o enriquecimento politicamente favorecido para os poucos das elites/oligarquias que dominam o Brasil];

3) “A melhor solução para ela é um acordo que a turma topa. Não com ela. A negociação é botar, é fazer o parlamentarismo e fazer o plebiscito, se o Supremo permitir, daqui a três anos. Aí prepara a eleição, mantém a eleição, presidente com nova…” [Renan refere-se ao “acordão” do parlamentarismo que acabou não prosperando, posto que atropelado pelo impeachment];

4) Queres que eu faça uma avaliação verdadeira? Não acredito em 30 dias, não. Porque se a Odebrecht fala e essa mulher do João Santana fala, que é o que está posto…” [Mônica, mulher do João Santana, já está falando, já está fazendo delação premiada; dentre as pessoas citadas está Eike Batista, que deu dinheiro para as campanhas lulopetistas fazendo depósitos no exterior; a Odebrecht ainda está em fase de negociação];

udio de Renan revela pistas da operao Abafa Tudo Houve conversas com Folha e Globo Como funciona o jogo do poder

5) [Temos que achar uma saída. Com quem falar? Sarney] [Sarney trabalha “por fora” para a manutenção do “sistema” extrativista e cleptocrata; conseguiu emplacar seu filho para ministro do Temer; a Nova República, iniciada com Sarney em 1985, deu continuidade ao exercício concentrado do poder, onde os poucos se alimentam das riquezas politicamente favorecidas];

6) “Me disse [inaudível] ‘ó, se o Renan tiver feito alguma coisa, que não sei, mas esse cara, porra, é um gênio. Porque nós não achamos nada.’;

7) “Deus me livre, Delcídio é o mais perigoso do mundo. O acordo [inaudível] era para ele gravar a gente, eu acho, fazer aquele negócio que o J Hawilla fez”;

8) “É um rebotalho de gente”;

9) “Michel, eu disse pra ele, tem que sumir, rapaz. Nós estamos apoiando ele, porque não é interessante brigar. Mas ele errou muito, negócio de Eduardo Cunha… O Jader me reclamou aqui, ele foi lá na casa dele e ele estava lá o Eduardo Cunha. Aí o Jader disse, ‘porra, também é demais, né’”;

10) [A Globo passou do limite] “Eu marquei para segunda-feira uma conversa inicial com [inaudível] para marcar… Ela me disse que a conversa dela [Dilma] com João Roberto [Marinho] foi desastrosa. Ele disse para ela… Ela reclamou. Ele disse para ela que não tinha como influir. Ela disse que tinha como influir, porque ele influiu em situações semelhantes, o que é verdade. E ele disse que está acontecendo um efeito manada no Brasil contra o governo” [Dilma tentou se valer da mídia financista para preservar seu governo];

11) “O Lula está consciente, o Lula disse, acha que a qualquer momento pode ser preso. Acho até que ele sabia desse pedido de prisão lá…”;

12) “Mas aí, nesse caso, ela tem que se ancorar nele. Que é para ir para lá e montar um governo. Esse aí é o parlamentarismo sem o Lula, é o branco, entendeu?”;

13) [“Se a Odebrecht mostras as contas não tem mais jeito”] “Tem não, porque vai mostrar as contas. E a mulher é [inaudível]”;

14) [Conversa de Renan com Dilma] “Ela avaliou esse cenário todo. Não deixei ela falar sobre a renúncia. Primeiro cenário, a coisa da renúncia. Aí ela, aí quando ela foi falar, eu disse, ‘não fale não, pelo que conheço, a senhora prefere morrer’. Coisa que é para deixar a pessoa… Aí vai: impeachment. ‘Eu sinceramente acho que vai ser traumático. O PT vai ser desaparelhado do poder’”;

15) [O PSDB é o próximo da vez] [concordando] “Não, o Aécio disse isso lá. Que eu sou a esperança única que eles têm de alguém para fazer o…”;

16) […vamos passar uma borracha no Brasil] “Antes de passar a borracha, precisa fazer três coisas, que alguns do Supremo [inaudível] fazer. Primeiro, não pode fazer delação premiada preso. Primeira coisa. Porque aí você regulamenta a delação e estabelece isso” [essa seria uma outra estratégia para promover a operação “Abafa”: proibir o preso de delatar; seria inconstitucional porque o preso não pode ser tratado desigualmente; o mecanismo de preservar o seu direito é só permitir delação de preso quando ele requer];

17) [manifestando contra a posição do STF de prender após a segunda instância] “A lei diz que não pode prender depois da segunda instância, e ele aí dá uma decisão, interpreta isso e acaba isso”;

18) “E, em segundo lugar, negocia a transição com eles [ministros do STF]”;

19) [Mas eles não vão negociar com Dilma] “Não negociam porque todos estão putos com ela. Ela me disse e é verdade mesmo, nessa crise toda –estavam dizendo que ela estava abatida, ela não está abatida, ela tem uma bravura pessoal que é uma coisa inacreditável, ela está gripada, muito gripada– aí ela disse: ‘Renan, eu recebi aqui o Lewandowski, querendo conversar um pouco sobre uma saída para o Brasil, sobre as dificuldades, sobre a necessidade de conter o Supremo como guardião da Constituição. O Lewandowski só veio falar de aumento, isso é uma coisa inacreditável’;

20) “Estamos perdendo a condição política. Todo mundo” [na verdade, todo mundo deixou de ser intocável; a Lava Jato está pegando todo mundo e está desmontando o “sistema” extrativista e corrupto];

21) “Primeiro eu disse a ele, ‘Michel, você tem que ficar calado, não fala, não fala’”;

22) “Não vão botar, não. [inaudível] E da leniência, detalhar mais. A leniência não está clara ainda, é uma das coisas que tem que entrar na…”;

23) “E tudo com medo”;

24) “Aécio está com medo. [me procurou] ‘Renan, queria que você visse para mim esse negócio do Delcídio, se tem mais alguma coisa.’”;

25) [inaudível] sexta-feira. Conversa muito ruim, a conversa com a menina da Folha… Otavinho [a conversa] foi muito melhor. Otavinho reconheceu que tem exageros, eles próprios tem cometido exageros e o João [provável referência a João Roberto Marinho] com aquela conversa de sempre, que não manda. […] Ela [Dilma] disse a ele ‘João, vocês tratam diferentemente de casos iguais. Nós temos vários indicativos’. E ele dizendo ‘isso virou uma manada, uma manada, está todo mundo contra o governo.’” [A conversa com Otavinho “foi muito melhor”].

O Brasil se cansou dessa velha política e desses velhos extrativistas do mercado. Os Cunhas, Jucás, Renans, Sarneys, Lulas, Aécios etc. E as Odebrechts da vida são a síntese desse modelo ultrapassado de sociedade não inclusiva e vergonhosamente injusta, que vem dos senhores de engenho, onde poucos (as elites econômicas e as oligarquias políticas) saqueiam à luz do dia a quase totalidade da população, sobretudo por meio do sequestro do Estado.

Via Lava Jato (empoderamento das instituições jurídicas), incontáveis representantes desse baronato da rapinagem e das pilhagens estão sendo expulsos do jogo econômico e político (que deve ser saneado mais profundamente). É imprescindível a extirpação dos “cânceres” malignos desenvolvidos ao longo da nossa História (senhores de engenho, fazendeiros coronéis, tiranetes, industriais sugadores do erário, empresários e políticos que se põem acima da lei etc.).

Por um utópico consenso ou por uma revolução não violenta da sociedade civil, enquanto não fizermos o que os ingleses fizeram em 1688 (Revolução Gloriosa), o que os norte-americanos fizeram em 1776-1781 (Guerra da Independência, o que os franceses fizeram em 1789 (Revolução Francesa), o que os japoneses fizeram em 1868 (Revolução Meiji) e o que os sul-coreanos fizeram em 1961 (Revolução na Educação), não mudaremos o Brasil. É preciso derrubar ou transformar o “sistema” (extrativista e cleptocrata). A Lava Jato já está fazendo uma parte da revolução. A outra cabe à sociedade civil. A mudança de atores não altera a História, que nos conta crises atrás de crises, das quais brotam o caos (que é a antessala do colapso). Algo pode ser feito antes do colapso (e imediatamente).

49 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

A mais segura para ela é pedir licença e continuar presidente. Se ela continuar presidente, o Michel não é um sacana”

Como o nobre jurista observou: "fala-se expressamente em “acordo”, garantias para Dilma e para Lula, Michel garantiria tudo isso".

Conclusão: Dilma negou veementemente essa possibilidade, ou seja, não aceitou ser protegida, muito menos proteger o Lula, que teve buscas, condução coercitiva, invasão da empresa do próprio filho. A Dilma deu a cara pra bater e sofreu/sofrerá o impeachment.

Uma coisa é não gostar dela, ela ter feito um governo ruim, ter articulação ruim, uma coisa é o PT não ser mais ELEITO. Outra bem diferente, ridiculamente diferente, é dizer que esse golpe era necessário pra varrer a corrupção. continuar lendo

Se você separar o Impeachment que é justo e necessário pelos desmandos que a presidente cometeu e o tanto que prejudicou o Brasil, daquilo que é o verdadeiro golpe, que foi a tomada de poder pela vice presidência por meio de articulação e traição, fica mais fácil de entender.
Não misturar tudo em um só processo, porque são dois.
Tirar a Dilma da presidência nunca foi um fim, apenas um meio de começar a limpeza que precisa ser feita. continuar lendo

Caro Jadson,

A proposta do texto é apartidária, não trata deste ou daquele partido especificamente, mas escancara de forma nua e crua o escárnio a que estamos submetidos pela classe política que governa o Brasil. Não discordando de sua análise sufragista, a mensagem é clara, ... o BRASIL PRECISA MUDAR, independente de legendas e suas ideologias políticas, cabendo a nós, eleitores, a espinhosa missão de tentar eleger um político de conduta ilibada e que tenha uma ficha limpa. Infelizmente uma tarefa quase impossível e aparentemente utópica, mas da qual não podemos nos furtar enquanto cidadãos, porque é esse o instrumento democrático que dispomos. continuar lendo

José Roberto, "impeachment justo" é aquele com base na CF. E é diferente do que foi realmente feito, são coisas distintas, é verdade. Porém tiveram o mesmo resultado: o poder da turma do Cunha.

Dentro da questão do golpe, só por isso já não é positivo, pois o que está em questão quando se fala nisso é a Democracia, não a Dilma em si. Há nessa luta classes e pessoas influentes que se declararam contra a Dilma, que apoiaram a Marina Silva, por exemplo.

É preciso separar o "prejuízo ao PT" e militante dos defensores da Democracia mais aqueles que são contra ao PSDB/DEM e os sanguessugas do PMDB.

Não há novidades, infelizmente. O nobre jurista já falava da "Operação Abafa" há tempos. E ele é militante do combate à corrupção e apartidário.

Não há rigorosamente NADA de bom com o que está acontecendo no nosso país. continuar lendo

Concordo, Luiz Otávio. continuar lendo

O que eu gostei é que você pegou uma parte do texto para defender Dilma, mas a parte que ela conversou para barrar a lava jato e o cara respondeu que não dava, isso você esqueceu, não meu amigo, ela simplesmente não quis perder o cargo dela, é luta de poder pelo poder, ninguém ai nesse meio é bom, todos são bandidos, e Cunha e ela foram os primeiros, por favor para de esquecer a realidade e defender Dilma, pois nestas conversas vemos claramente que ela está no meio, sua campanha comprada e sua vontade de parar as investigações para continuar no poder, o STF não quer se envolver só pensa em seu aumento salário, ou seja, a Dilma não tem amigos, poios a má gestora, arrogante e amante do poder com qualquer esquerdista, o resto quer o poder, pois entendem que teriam mais chances que Dilma de para as investigações, já que ganhando confiança popular e melhorando alguns indicadores poderia as coisas se acalmarem, porém o Michel fez vários erros ,como acabar com o Minc, bota investigados no ministérios, demorar apara dar uma resposta a sociedade e agora estas delações caí Jucá, agora Renam demostrando que houve conspiração, o que eu chamo de antiético, foi errado, mas não de golpe, primeiro por todos serem farinha do mesmo saco e segundo que foi algo dentro da legalidade, por fim acredito que o Michel não vai conseguir acalmar a sociedade, como vimos todos estão com medo e acho que a cabeça de todos deve cair, mas para mim se a presidente voltar seria melhor para os políticos não para o povo. continuar lendo

Joel Carvalho, exatamente só sendo muito apaixonada mesmo, eu votei no Aécio, mas hoje estou torcendo que ela vá preso logo que a casa dele caia, vamos nos unir por um Brasil melhor, esqueça Dilma ela é uma salafrária e esta agarrada ao poder, esqueça seu político corrupto de estimação, pois ele vai cair! continuar lendo

Perfeito. Se havia um esquema, e ele dependia da licença ou renúncia de Dilma, está claro que ela não aceitou participar. Pra variar, distorceram os fatos em desfavor da presidenta. continuar lendo

Caro Professor,

Nos parece, apesar de todas as controvérsias, que a Lava-Jato está conseguindo abalar os pilares desta maldita estrutura extrativista que se apoderou do Brasil desde Cabral. Como todo brasileiro desejo ver nosso país passado a limpo. É óbvio que a corrupção e rapinagem continuarão existindo, mas se a Lava-Jato conseguir colocar atrás das grades uma parte destes "barões da cleptocracia", já será um bom começo. Espero que dentro dos limites da legalidade, a operação progrida e prospere cada vez mais, doa a quem doer. Nós e o Brasil precisamos manter esta esperança viva. continuar lendo

O STF quer seus 70 e poucos por cento de aumento e só. O Brasil que se dane continuar lendo

Mas veja que nesse caso foi correto, eles não devem mesmo se envolver em questões políticas e tal, querer resolver o problema que está abalando o Brasil isso é com eles políticos, pois foram eles que chegaram a este ponto, o que os ministros querem e sabem é que estarão lá e por isso ganhar mais, como qualquer trabalhador deseja, desta forma não vi nada de errado com a atitude do Ministro do STF. continuar lendo

Acontece meu caro José Roberto, me parece ingênuo da sua parte, entender que está havendo uma limpeza. Nada disso! Se não querer participar do jogo político custa o seu mandato isso não me parece uma limpeza e sim um golpe! É pegar ou lagar como se diz! Outra coisa, com o poder de julgamento nas mãos de um STF covarde, quem pode afirmar que os bandidos serão punidos! Se não acredita veja a investigação do Aécio que foi engavetada pelo Ministro Gilmar Mendes! continuar lendo

Mas Gilmar é um só, o supremo são 11, esse papo de Golpe já gastou, vc tá vendo ai sua presidenta fazendo de tudo para abafar a notícia e tudo mais, sua vida de roubalheira na petrobras ela caí e chama isso de Golpe??? Loucura, me desculpe! continuar lendo