jusbrasil.com.br
21 de Novembro de 2017

Cusparada de Jean Wyllys contra Bolsonaro: é crime?

Luiz Flávio Gomes, Professor de Direito do Ensino Superior
Publicado por Luiz Flávio Gomes
há 2 anos

Jean Wyllys disse que votou contra o impeachment e, em seguida, foi insultado por Bolsonaro. Cuspiu-lhe (e faria isso de novo). Uns 30% o volume líquido emitido alcançou o alvo. Isso é crime? Há poucos dias a ministra da Agricultura Kátia Abreu jogou uma taça de vinho na cara do senador José Serra, depois de ter sido insultada, é crime?

Cusparada de Jean Wyllys contra Bolsonaro crime

Em regra uma cusparada significa injúria (ofensa à honra subjetiva de uma pessoa). Não se trata de difamação porque não envolve a narrativa de fato desabonador. Não é calúnia porque não descreve um delito.

Mas no caso concreto de Wyllys dois fatores são relevantes: (a) trata-se de um parlamentar que goza de imunidade penal (material) em suas palavras, opiniões e votos (que incluem gestos e outros atos); (b) nunca podemos ignorar o direito de retorsão imediata.

Os parlamentares brasileiros (grande maioria), durante a votação do impeachment, estavam exaltados. Levaram para o microfone a mesma emoção biliática dos eleitores nas ruas e nas redes sociais. A emocionalidade briga com a racionalidade.

Algumas pessoas ficaram chocadas com o que viram. Mas esse é o país em que vivemos. É só passar os olhos na História para se ver que as disputas políticas de 2016 não são distintas, em termos de qualidade dos debates, da primeira metade do século XIX. A emocionalidade supera a racionalidade em muito. Mais: é bem provável que o parlamento não seja nada mais nada menos que espelho da sociedade.

O que se esperar de um povo latino sem a presença massiva dos protestantes, com seu amor pelo valor do trabalho? Que se esperar de um povo que desenvolveu um tipo de capitalismo escravagista sem ética? Que ocorre quando um bando de animais pouco domesticados se encontram para um debate exaltado pela emocionalidade?

Há pouco tempo uma queixa-crime instaurada pelo deputado João Rodrigues (PSD-SC) contra Jean Wyllys foi arquivada no STF (Inq. 4177). Tratava-se de uma acirrada discussão que ambos tiveram no plenário da Câmara (em 28/10/15).

Wyllys chamou o colega de “ladrão, bandido, desonesto, indecente, estúpido e fascista”. O detalhe é que João tinha sido condenado por crimes da lei de licitações.

O STF invocou a impunidade parlamentar material prevista no art. 53 da CF. O PGR pediu o arquivamento do feito. A discussão foi no plenário da Casa. O uso de palavras de baixo calão é criticável, mas não configura crime, quando no exercício da função parlamentar. Muito provavelmente a cusparada terá o mesmo destino (se, de fato, houve insulto prévio).

A imunidade parlamentar significa uma autorização para a prática de alguns atos. Quando uma norma autoriza um comportamento, o que está permitido por ela não pode estar proibido por outra norma (teoria da tipicidade conglobante de Zaffaroni ou teoria da criação de risco proibido de Roxin ou teoria da tipicidade material, sistematizado por nós).

  • CAROS internautas que queiram nos honrar com a leitura deste artigo: sou do Movimento Contra a Corrupção Eleitoral (MCCE) e recrimino todos os políticos comprovadamente desonestos assim como sou radicalmente contra a corrupção cleptocrata de todos os agentes públicos (mancomunados com agentes privados) que já governaram ou que governam o País, roubando o dinheiro público. Todos os partidos e agentes inequivocamente envolvidos com a corrupção (PT, PMDB, PSDB, PP, PTB, DEM, Solidariedade, PSB etc.), além de ladrões, foram ou são fisiológicos (toma lá dá cá) e ultraconservadores não do bem, sim, dos interesses das oligarquias bem posicionadas dentro da sociedade e do Estado. Mais: fraudam a confiança dos tolos que cegamente confiam em corruptos e ainda imoralmente os defendem.

654 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Caro LFG, os vídeos que circulam na internet demonstram que Jair Bolsonaro não ofendeu Jean Wyllys: https://www.youtube.com/watch?v=f4757r_k1ig

Recomendo que corrijas a questão e que o raciocínio do artigo seja tratado conforme a realidade estampada nas provas. Claramente, o parlamentar ataca a vítima tentando justificar sua atitude lamentável. Abraço. continuar lendo

Muito bem esclarecido @hyagootto . Responderá por crime e por quebra de decoro parlamentar, além da indenização por danos morais.
Bolsonaro não insultou o Nobre Parlamentar Wyllys.
Excedendo-se em demasia com o cuspe, deve este ser responsabilizado na medida de sua culpabilidade civil, administrativa e penal.
Abraço. continuar lendo

Tem vídeos que mostram sim o Jair ridicularizando o Jean, mas isso não justifica a cusparada. Que povo sem o mínimo de equilíbrio...dos dois lados, aff... continuar lendo

Andreia, seria interessante você trazer tais vídeos para o debate, porque até agora, todos, sem exceção, demonstram que Jair Bolsonaro não chamou Jean Wyllys de nada e muito menos puxou seu braço, como dito pelo parlamentar. continuar lendo

O parlamentar atacou a "vítima"? Foi isso mesmo que eu li? Vc acabou de chamar Jair Bolsonaro de vítima? Sugiro que pesquise um pouco mais sobre este senhor, meu nobre colega. Agora, se vc for pessoa mais velha, militar aposentado e compactuar com todas as atrocidades ditas por este deputado, me desculpe, retiro tudo que eu disse, não deveria nem estar aqui lendo seu comentário. continuar lendo

Sei que vão tentar justificar a fala do Bolsonaro, mas ainda assim, a frase "tchau querida, tchau amor", como dá pra ouvir claramente no vídeo,, dirigida ao deputado Jean Wyllys, na minha opinião, foi pejorativa sim e tinha intenção de ofender ou, pelo menos, provocar. continuar lendo

Cintia Amaral, se você ataca alguém, você é a autora, e o atacado é a vítima. Não importa quem seja, é assim que funciona o processo penal. Ser vítima do ato não significa ser uma pessoa frágil ou algo do tipo. É ser simplesmente vítima de uma conduta, em um fato. continuar lendo

@cgna Então qualquer fato do passado do Sr. Bolsonaro autoriza qualquer uma cuspir na cara dele? Caso ele sofra tentativa de homicídio, ele não poderá ser chamado de vítima por conta de qualquer fato que você possa atribuir ao mesmo no passado? Lógica deturpada a sua. gozado que você não traz à baila nenhum argumento jurídico para o caso, apenas sua opinião pessoal, e isso pra um operador de direito é preocupante! continuar lendo

Ninguém cospe me ninguém de graça, vocês vão me desculpar.
O ato de cuspir em alguém é algo extremado.
Ainda mais sendo entre quem foi.
Explico: um militar machista (e provavelmente homofóbico), que fala o que quer, a quem quer e quando quer e um homossexual ativista. É óbvio que houve provocação e reação.
Não vamos deixar nossas paixões nos cegarem. continuar lendo

Muito bem esclarecido pelo Dr Hyago. Além disso, há que se considerar que se trata certamente de falta de decoro parlamentar, punível com a cassação do assento do cuspidor naquela Casa. continuar lendo

Se o cuspe foi crime e quebra de decoro, imagina então o que seria a apologia a crime lesa-humanidade de tortura praticada pelo Bolsonaro... continuar lendo

Cara sr. Cíntia, então você não concorda que qualquer pessoa possa ser vítima? O Jair Bolsonaro é o que há de melhor no ramo político atual, pelo menos até agora, se não fosse gente como ele a pedofilia, por exemplo, já estaria oficializada no país.

Ele é vítima do Jean sim, e não há como negar o fato, por que fico preocupado que, se uma pessoa vendo o vídeo nega os fatos então estamos diante de um problema muito grande! continuar lendo

Ha um video em que o JW diz claramente, "...vou cuspir no Bolsonaro". Portanto, premeditado e nao no calor dos fatos. continuar lendo

Não insultou? Com licença, pode procurar na internet as seguintes frases?
"Se eu encontrar na rua casal de gays, dou porrada"
"Mulheres têm que ganhar menos, porque engravidam"
"O erro da ditadura foi torturar e não matar"
"Seria incapaz de amar um filho homossexual. Prefiro que um filho meu morra num acidente do que apareça com um bigodudo por aí.”

Não, imagina. Coitadinho do Bolsonaro, tão querido e merecedor de todo o nosso respeito, né?
Hipocrisia tem limite!! continuar lendo

Com o devido respeito, a simples figura deste parlamentar jean willys (minusculo) já me enoja.
Vendo a foto, onde ele dá a gusparada, complementa o meu nojo.
Acha ele que por ter imunidade, tem o direito de agir desta forma.
Mas não é a imunidade que pesa neste momento.
É o caráter, a educação, o berço de onde veio e quem ele representa que o faz agir assim.
Esperar o que deste cidadão ?
Cada partido tem o representante que merece. Incluindo aí quem votou nele. continuar lendo

O "alvo putativo" confirmou as gracinhas da vítima: http://nossaradio.net.br/horizontina/noticia_ler.php?id=36248&cidade=horizontina/ continuar lendo

Caro amigo, quando um bando se junta pra julgar alguém no minimo deveriam respeitar a pessoa que esta sendo julgada, dizer a sua posição se possível justificar seu voto, mas o que vimos foi um bando de pessoas descontroladas que não respeitavam a posição daqueles que eram contrários a sua opinião. A presidenta ou presidente de um pais no minimo deveria gozar do respeito do povo que ela governa e dos parlamentares que a fiscaliza, ainda mais que ela não está sendo julgada por desvio ou corrupção mas sim por ato governamental, tchau querida, tchau amor, já vai tarde... mostra que no minimo algo deve ter acontecido pra levar uma cusparada. continuar lendo

Se o cuspe fosse na cara do Lula, esses calhordas estariam defendendo Jean.
Deixem de ser hipócritas!

Jean teve uma reação às palavras ofensivas de Bolsonaro. NAO É CRIME! Mesmo porque tem imunidade parlamentar.
Prof. LFG com razão! continuar lendo

"Recomendar' que o professor LFG corrija algo. kkk É piada! continuar lendo

Cintia Amaral prejulga, esquecendo-se que todos são iguais perante a lei. Pelo menos, por enquanto. Deixe a política de lado e traga para este site o Direito. continuar lendo

O Filho do Bolsonaro, cuspiu de volta. E aí? Cassa-se os dois? continuar lendo

Lamentável é pegar um fato isolado e fazer-se dele uma indignação seletiva.

Vários episódios, até piores como cabeçadas, aconteceram nesta casa e nenhum foi alvo de cassação de mandato.

Hipocrisia. continuar lendo

Ps: indignação seletiva enraizada por preconceito maquiado.

Sejam honestos e estampem logo no discurso de vocês: NÃO ATURAMOS HOMOSSEXUAIS.

Fica mais digno. continuar lendo

Ele ofende sim. Na verdade Jean ja teria votado e se movimentando para sair quando foi insultado e tratado no feminino diversas vezes. Vou me limitar ao tratamento irônico "Querida".

Temos que ver os erros onde quer que ele esteja. Em algum momento temos que parar de fingir que não sabemos que sabemos dos grampos de FHC com Lara Resende. Que sabemos que A CPI que apurava o pagamento de 200 mil por voto para reeleição de FHC acabou descaradamente em inconclusiva, e entre outras dezenas de coisas, precisamos admitir que sabemos que faltando pouquíssimos dias para encerrar o mandato, FHC criou uma lei de foro privilegiado para ex presidentes afim de proteger a si mesmo, e que só foi derrubada ao fim do mandato de Lula, e sendo assim ele não pode falar da tentativa de se colocar Lula Ministro.

Precisamos reconhecer e tratar tudo isso sem partidarismo, não para defender um ou outro, mas pra tentar mais uma chance de virarmos gente grande. continuar lendo

Ele ofendeu sim. Na verdade Jean já teria votado e se movimentando para sair quando foi insultado e tratado no feminino diversas vezes. Vou me limitar a um tratamento irônico "Querida". A mão levantada não se presta nas imagens a se defender do cuspe, é na verdade a parte gestual de aceno que complementava os insultos.

Temos que ver os erros onde quer que ele esteja. Em algum momento temos que parar de fingir que não sabemos que sabemos dos grampos de FHC com Lara Resende. Que sabemos que A CPI que apurava o pagamento de 200 mil por voto para reeleição de FHC acabou descaradamente em inconclusiva, e entre outras dezenas de coisas, precisamos admitir que sabemos que faltando pouquíssimos dias para encerrar o mandato, FHC criou uma lei de foro privilegiado para ex presidentes afim de proteger a si mesmo, e que só foi derrubada ao fim do mandato de Lula, e sendo assim ele não pode falar da tentativa de se colocar Lula Ministro.

Precisamos reconhecer e tratar tudo isso sem partidarismo, não para defender um ou outro, mas pra tentar mais uma chance de virarmos gente grande. continuar lendo

Oportuna observação. Cabe lembrar também que em outros vídeos torna-se evidente que o Deputado Jean Wyllys premeditou o ato.

https://www.youtube.com/watch?v=xqdlLtzDcXU continuar lendo

Curso Superior com Especialização em alguma área da Administração Pública e Ficha Limpa como requisitos básicos para cargos políticos. Depois do festival visto, é o mínimo que se espera.
Precisa-se de pessoas com qualificação para colocar o país no caminho do desenvolvimento.
Caso contrário, teremos semianalfabetos Presidentes da República, celebridades do BBB cuspindo bobagens e palhaços de circo recebendo salário de deputado no grande circo do Congresso Nacional. continuar lendo

O deputado Jair Bolsonaro não ofendeu O deputado Wyllys, ele paulatinamente ofende toda e qualquer minoria que não estejam de acordo com os padrões sociais e de comportamento Baseados em um "Deus" ja a muito tempo ultrapassados e superados, principalmente em nações onde o de o ser humano é mais importante que um suposto livro sagrado. Além da apologia escancarada a tortura, ao extermínio de minorias, a marginalização de determinados grupos... Infelizmente não é o comportamento que esperamos de um deputado, mas o cuspe representa o desejo de muita gente. continuar lendo

Opa, @ellenp713 , seria algum de nós seres humanos, uma pessoa infalível? continuar lendo

Sinceramente eu acredito que o melhor a fazer é colocar um fuzil carregado nas mão de "petralhas" e "tucanalhas" e deixar que eles decidam o que é "melhor" para o Brasil. continuar lendo

Nunca pensei que este algumas pessoas deste país chegasse ao ponto que chegou, em defender o crápula do deputado que homenageia um torturador. continuar lendo

Crime foi Bolsonaro parabenizar um vagabundo assassino continuar lendo

Gostaria de acrescentar que ninguém nunca viu o equilibrado bolsonaro ofender alguém... É um exemplo de educação e de respeito ao próximo. Só que não...
Pior do que uma figura dessas ser deputado, é ver que ele tem inúmeros seguidores. Aliás, uma coisa é consequência da outra.
Ele e seus seguidores comprovam que a ditadura não se exauriu e deixou muitas sementes. continuar lendo

Na verdade houve sim a provocação.
Outro vídeo que mostra o Eduardo Bolsonaro cuspindo de volta.

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2016/04/video-mostra-que-filho-de-bolsonaro-cuspiu-em-jean-wyllys-5781954.html#

Vale lembrar, que o mesmo Eduardo Bolsonaro, disse antes que não havia cuspido e nem agredido o Jean Wyllys, e nesse video aparece ele cuspindo, logo, ele mentiu. continuar lendo

Pois bem, agora circula na internet mostrando que o Eduardo Bolsonaro cuspiu no Jean Wyllys ... Essa família não passa de um bando de canalhas da pior espécie, mais canalha ainda é quem os defende. Jean só cuspiu porque não deu tempo de vomitar.

https://www.youtube.com/watch?v=Q1CB5LxnMZo continuar lendo

Meu nobre Hyago, do jeito que se comportam os nossos parlamentares, será que algum tem moral para exigir do outro comportamento ético (pergunto). A questão é se o ato é crime ou não. continuar lendo

O decoro é obrigação de todos. A análise da conduta não passa pelo exame das personalidades dos atores que nela acabam figurando como partes, mas pelos seus atos. À luz destas considerações, aqui e independentemente de quem seja, BOLSONARO, é, sim, VÍTIMA e JEAN WYLLIS é, sim, AGRESSOR. A emissão de juízo de valor, que no caso passa pela verificação da veracidade das alegações defensivas do AGRESSOR, apresentadas como RETORSÃO IMEDIATA a uma AGRESSÃO ANTECEDENTE da VÍTIMA. Presente a materialidade da agressão antecedente, naquela oportunidade e momento - e não outras e possíveis agressões noutras ocasiões - a justificativa deveria ser acolhida e isentá-lo de pena, ausente a materialidade, a condenação se impõe!!!!! É somente isto, Dra. Cintia Amaral!!!! continuar lendo

Atenção defensores do Bolsonaro: expliquem por que o cuspidor deve ser cassado e o homem que quebrou o decoro parlamentar exaltando a tortura, não.
Porque eu até agora não entendi. Ou ambos quebraram o decoro, ou ambos gozam de imunidade parlamentar, certo? continuar lendo

Digamos que tenha sido crime. Aí alcança ele o artigo Art. 65, III, c do Código Penal?

São circunstâncias que sempre atenuam a pena:
II - ter o agente
c) cometido o crime sob a influência de violenta emoção, provocada por ato injusto da vítima.

Mas já que falamos no Bolsonaro, teria ele cometido o crime do Art. 287 do Código Penal - Fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime: Pena - detenção, de três a seis meses, ou multa.

Resumo: dois desequilibrados! continuar lendo

Isso vale para quem faz apologia a Lamarca, Marighella e Zumbi dos Palmares também?
O cara é militar, saudou um militar, não há nada de criminoso nisso. continuar lendo

E para o deputado Glauber Rocha, que exaltou o terrorista e assassino Marighella? Vale também?
E para aqueles que exaltaram o assassino e estuprador Che Guevara? Vale também? continuar lendo

A meu ver, Bolsonaro foi, como sempre, desbocado. Citou Ustra para cutucar o povo da esquerda, que tem repulsa ao Regime Militar. Até aí, uma opinião. Assim como citar criminosos como Marighella, Lamarca, entre outros, também é uma opinião. Às vezes, quem é o vilão e quem é o herói é algo relativo, depende de que lado você está.
Mas cuspir na cara de outro parlamentar não é aceitável. Imagine só se vira moda?!
Logo, isso vai terminar em vias de fato, ou coisa pior. Deve haver pelo menos uma censura quanto à atitude. continuar lendo

Concordo com vocês, @hyagootto o e @marcospaulofranca .

Opinião é para ser dada, muito embora exista um limite porque senão a gente vai argumentar que toda apologia é só mera opinião. Eu citei o caso do Bolsonaro porque o Ustra é "acusado" de ter praticado tortura - inclusive contra a presidenta - e este crime é hediondo.

Lamarca, Marighella e Zumbi são chamados de terroristas - que é um conceito muito ideológico, quer dizer: se alguém se insurge contra um regime ele é terrorista? A resposta depende de um montão de coisas, mas nenhum deles foi acusado de ter praticado tortura.

Mas aí foi uma pergunta que eu fiz, mas faltou a interrogação. continuar lendo

O problema é que Jair Bolsonaro é um boquirroto.
Fala o que não precisa, buscando somente provocar.

Dentro de um botequim, esse tipo de conduta acaba mal mesmo....
Já era esperado.

PS: não tenho nenhuma intenção de ofender os botequins. continuar lendo

"Lamarca, Marighella e Zumbi são chamados de terroristas - que é um conceito muito ideológico, quer dizer: se alguém se insurge contra um regime ele é terrorista?"

Não.
Mas Marighella defendia execuções sumárias e públicas. Redigiu o "manual do guerrilheiro urbano", livro que ensinava a torturar opositores e a executá-los de forma lenta e dolorida. Tudo em nome "da democracia". Sem falar nos atentados a bomba e demais crimes, como sequestro, assaltos, etc.

Isso sim, é ser um terrorista. continuar lendo

Willian, em nenhum lugar do livro do Marighella ela fala isto de "torturar as pessoas". Há uma parte, na página 42, onde ele diz:

"Execução é matar um espião norte-americano, um agente da ditadura, um torturador da policia, ou uma personalidade fascista no governo que está envolvido em crimes e perseguições contra os patriotas, ou de um “dedo duro”, informante, agente policial, um provocador da policia."

E na página 43, onde ele fala de sequestro, ele explica:

"O seqüestro é usado para trocar ou libertar camaradas revolucionários aprisionados, ou para forçar a suspensão da tortura nas cadeias de uma ditadura militar."

O sequestro não envolvia, segundo o manual, a tortura!

Todos eles vivam numa guerra e eram torturados e mortos. O que o Marighella fala é que estes torturadores deveriam ser executados, mortos. O que numa democracia é repugnante, concordo, mas que é perfeitamente compreensível no cenário de luta de 64. Mas se você puder citar aqui a parte onde ele ensina a fazer tortura eu agradeço, pois pode ser que na versão que eu li não tenha.

Ustra torturava civis, parentes de comunistas, mulheres grávidas, crianças. Marighella, não.

Um grande abraço! continuar lendo

Eu considero muito mais ofensivo que uma cusparada o fato de um parlamentar ter exaltado o torturador da presidenta da República, condenado pela justiça, inclusive.
Mas é questão de opinião. Para mim, a estupidez dos estúpidos nunca deixará de ser ofensiva. Outros, principalmente os seguidores, tiram por menos tais atrocidades.
Ambos estão envolvidos pela imunidade parlamentar. Nada a ver essa história de que "exaltar torturador pode, mas cuspir é inaceitável". continuar lendo

Prezado Wagner,
O Carlos Alberto Brilhante Ustra é acusado de cometer tortura, mas não existem provas de que realmente tenha cometido tal conduta. A Comissão da Verdade investigou, mas não chegou a nenhuma prova de tal acusação. A Senhora Presidente alega que foi torturada por ele, mas também não comprovou.
Ademais, Mariguela e Lamarca também são acusados de praticar o terrorismo, que também é um crime hediondo. Contudo, também não existem provas concretas que atestem a prática de tal crime.
Agora, o fato do Bolsonaro ter citado o Ustra em sua fala não significa, necessariamente, que tenha feito apologia ao crime. Vejam, o Bolsonaro não defendeu nenhum tipo de prática de tortura, apenas citou um nome. Esta conclusão é uma divagação!!! continuar lendo

Só para começo de conversa o livro possui um fuzil AK 47 na capa. Em outro folhetim, consta a frase "trabalhador, arme-se e liberte-se". E o mais engraçado disso tudo é que seus companheiros hoje instituíram a política de desarmamento civil.

Agora, Wagner, tu quer mesmo argumentar sobre Marighella usando o seu livro como fonte? É sério mesmo?

É o mesmo que eu dizer que o nazismo é bom e utilizar Mein Kampf como fonte de argumentos. continuar lendo

Grande, @hesvieira, como assim não tinha nada provado contra o Ustra? Em 2008, tornou-se o primeiro militar a ser reconhecido, pela Justiça, como torturador durante a ditadura. O que aconteceu foi que a Rosa Weber suspendeu a ação penal sob o argumento de que era preciso esperar pela Lei da Anistia que seria julgada pelo STF. Ustra morreu esperando este julgamento aí... Há inúmeros documentos, fotos, testemunhas que comprovam que ele torturava, tanto com o nome de Ustra como com o codinome Tibiriça. continuar lendo

Ué, @williamasilva , quem citou o livro do cara foi você e não eu. rs
Eu só mostrei que no livro dele que você citou não tem o que você citou. Ainda bem que eu li o livro, porque senão eu iria acreditar no que você disse. E a capa do livro tem várias versões. A primeira não tinha capa alguma, só o nome, pois foi feito na clandestinidade. continuar lendo

@hesvieira

Sobre a sua opinião de que "o fato do Bolsonaro ter citado o Ustra em sua fala não significa, necessariamente, que tenha feito apologia ao crime. Vejam, o Bolsonaro não defendeu nenhum tipo de prática de tortura, apenas citou um nome. Esta conclusão é uma divagação!!!"

Apesar de talvez não ser suficiente para mudar a sua opinião sobre a fala de Bolsonaro na votação, esse vídeo pode aclarar parte da ideologia por ele defendida. Embora tenha imunidade material, ele defende, sim, a tortura:

https://www.youtube.com/watch?v=-fMdCwlwg8E&feature=youtu.be continuar lendo

Acredito que não tenhamos lido o mesmo livro, ou a mesma versão, pois na página 43 do que eu li constava o seguinte:

"Quando não há a possibilidade do plano de fuga, a guerrilha urbana não deve esperar reunir-se, agrupar-se, ou fazer qualquer outra coisa, já que fazê-lo evitará sua possibilidade de romper a rede do inimigo, que seguramente tentará atirar a redor dele.

As táticas de rua têm revelado um novo tipo de guerrilheiro urbano, o guerrilheiro urbano que participa dos protestos em massa. Este é o tipo que designaremos como o guerrilheiro urbano manifestante, que se une à multidão e participa das marchas populares com fins específicos e definitivos.

Estes fins consistem em atirar pedras e projéteis de todo tipo, utilizando gasolina para começar incêndios, utilizando a polícia como alvo para suas armas de fogo, capturando as armas dos policiais, seqüestrando agentes do inimigo e provocadores, disparar cuidadosamente aos chefes de polícia que vem em carros especiais com placas falsas para não atrair a atenção.

O guerrilheiro urbano manifestante ensina aos grupos nas manifestações as rotas de fuga se é necessário. Coloca minas, atira bombas Molotov, prepara emboscadas e explosões.

O guerrilheiro urbano manifestante também tem que iniciar a rede dentro da rede, revistando os veículos do governo, os carros oficiais, e os veículos da polícia para ver se tem dinheiro ou armas antes de virá-los e colocá-los fogo.

Os franco-atiradores são muito bons para as manifestações em massa e, juntos com os guerrilheiros urbanos manifestantes, podem exercer um papel chave. Escondidos em pontos estratégicos, os franco-atiradores tem completo êxito, utilizando escopetas, metralhadoras, etc., cujo fogo e rebote causam perdas entre os inimigos."

Leu o mesmo que eu?

"O guerrilheiro urbano manifestante ensina aos grupos nas manifestações as rotas de fuga se é necessário. Coloca minas, atira bombas Molotov, prepara emboscadas e explosões."

Mas que santidade esse indivíduo.

Seria bom se tu colasse aqui tudo o que há escrito nas referidas páginas, não só o que lhe convém, pois assim fica muito fácil...

"Ustra torturava civis, parentes de comunistas, mulheres grávidas, crianças. Marighella, não."

Então agora tu quer diminuir seus crimes, torturas e atentados porque Ustra torturava grávidas e ele não?

Faça-me o favor. continuar lendo

@williamasilva você continua confirmando o que eu disse: não há tortura no livro do cara. Ele nunca falou isto. E todos os atos dele era contra a polícia e contra os torturadores - diferente dos torturadores que torturavam civis, crianças, amigos dos comunistas e etc. Você queria o que, que os torturadores do exército armados estivessem torturando e "comunistas" entregassem flores?

Não, nem o Marighella era santo e nem muitos ali não eram, a diferença é que muitos inocentes foram mortos e torturados pela ditadura, mas nenhum ditador ou torturador foi morto como civil inocente.

"Então agora tu quer diminuir seus crimes, torturas e atentados porque Ustra torturava grávidas e ele não?"

Siiim! o/ Eu quero diminuir estes crimes sim. Você colou um monte de passagens que mostra a guerra entre guerrilheiros e militares. Não mostrou, ainda, um caso de tortura.

É este o problema. E, para que não mais se repita esta luta e não haja mais mortes é que eu espero que nunca nos falte a democracia e o diálogo! continuar lendo

Se a moda pega, os nobres deputados deverão comparecer às sessões de guarda-chuva e galocha. continuar lendo

Sim, @wagnerfrancesco, considerar Marighella de terrorista esbarra no problema do termo ser uma conceituação ideológica. Não é como se ele houvesse escrito um Manual do Guerrilheiro Urbano onde ensina a explodir escolas e hospitais. Ué... continuar lendo

@carlosagpinto , explodir escolas e hospitais que se tornaram centros onde o exército estava instalado. Nunca um lugar habitado por civis. Vocês têm aí alguma notícia que mostre que civis, inocentes, foram mortos por Marighella? Se tiver gostaria de ver o link ou o livro com a página referente ao caso. Agora, casas de civis queimadas e invadidas a mando de Ustra & Cia não falta. Só a título de curiosidade, olha isto:

http://oglobo.globo.com/cultura/livros/livro-reune-historias-de-criancas-presas-torturadas-ou-exiladas-durante-ditadura-no-brasil-14496104 - Livro reune histórias de crianças presas, torturadas ou exiladas durante a Ditadura no Brasil. Dizia que os comunistas comiam as crianças, mas neste livro mostra até caso de estupro revelando que "quem comia as crianças" eram os militares. continuar lendo

Muito se fala que Dilma foi torturada etc. e tal.Quem pode provar que de fato aconteceu?
Causa-me espanto alguém que diz ter sido "barbaramente torturada" por 22 dias e ter sobrevivido e ainda sem ter nenhuma sequela? Foi condenada a 06 anos, cumpriu 2 anos e 01 mês e saiu do presidio Tiradentes no final de 1972, até onde se sabe pela porta da frente e sem arranhões aparentes. Não esqueço que o Lula chamava a prisão do então delegado Romeu Tuma de : "Pensão do Tuma", recordam-se?
E não nos esqueçamos que pelo lado dos combatentes do regime, esses cometeram roubos a Bancos, Lojas, e assassinam diversos civis em nome de uma causa.Nessa guerra, não houve inocentes em nenhum dos dois lados. continuar lendo

Boa Wagner !! É incrível o quanto os discursos aqui são tendenciosos, até mesmo do autor do post. Acho que nenhum cidadão sério deveria perder tempo com essas figuras que infelizmente temos no nosso legislativo, por mim os dois poderiam sair, assim eliminaríamos dois extremos que não agregam em nada no desenvolvimento sério da casa. continuar lendo

@wagnerfrancesco O sequestro juridicamente não é tortura, porém causa dano psicológico de igual monta, além de estar previsto no art. 148 do CP, sendo, portanto, crime!!!!! Desse modo, a pessoa que faz apologia à sequestrador se enquadra perfeitamente ao art. 287 do CP. continuar lendo

E chamar a dilma de honesta com o seu passado???? continuar lendo

A diferença é que o Bolsonaro fez isso VÁRIAS vezes. Não é possível que não conheçam esse verme, tá tudo registrado, com reportagens, fotos, vídeos. Eu mesma ouvi ao vivo esse demente falando sobre a sua homofobia e machismo (se sentindo com toda a razão) na rádio, em Porto Alegre, no ano passado. continuar lendo

Apologia a Dilma também é crime? pois a mesma é criminosa impune, uma terrorista comprovada, é só pesquisar o passado dela. continuar lendo

1) Há uma grande diferença nas torturas do Ustra com a guerrilha do Mariguela: O Ustra tinha cargo público, recebeu treinamento público, recurso público, armas públicas e agia como um braço do estado. É o estado brasileiro que agia torturando. É o estado brasileiro que o protegeu até sua morte. Uma pessoa pode agir contrária a lei e sofrerá as consequências. O estado não pode agir assim.

2) Pegar a cusparada do Jean Wyllys e não falar da cusparada do filho do Bolsonaro é apenas perseguição. Se ele não tivesse cuspido estaria sobre discussão o voto do Patrus ou qualquer outro ato de alguém que disse não... Assim como o lado do não fala sobre o SIMSIMSIMSIM da esposa do prefeito de Montes Claros...

3) Sobre a dívida pública e sua auditoria, o verdadeiro problema brasileiro, ninguém discute. continuar lendo

E por que não há nenhum comentário sobre quem, ao votar, fez homenagem aos assassinos e terroristas Carlos Lamarca e Carlos Marighella? continuar lendo

Marcos Paulo, ele não saudou somente um militar, saudou um torturador, seja ele militar ou não. Eu posso aqui ser a favor dos militares, mas não posso fazer apologia à um crime hediondo. Conheço muitos militares, pais de amigos, amigos e conhecidos que reprovaram demais as palavras dele, muitos militares acham que isso 'mancha' a categoria porque pensam que ser militar tem haver com servir e proteger e não causar dor. Para se ter uma ideia, um dos pais de um amigo falou que o maior ato de um militar é dar a própria vida antes que um inocente dê a sua e que ele teve a honra de presenciar isso uma vez :) continuar lendo

Que os dois são desequilibrados, não há dúvidas. Mas o fato do Bolsonaro ter homenageado Ustra não o submete à responsabilização criminal, já que o deputado tem imunidade parlamentar para expressar suas "idéias e pensamentos" (aqui não entra cusparada). Certo ou não é isso.
Se quisermos um parlamento melhor, temos que mudar muitas coisas, desde o acesso à imunidade parlamentar. continuar lendo

Concordo contigo. Dois indivíduos sem nenhuma educação. continuar lendo

Os dois são farinha do mesmo saco!!! Não valem nada!!! Mas o tal do Jean, envergonha qualquer parlamentar e qualquer brasileiro!!! continuar lendo

Já é sabido que não houve insulto algum. Inclusive, Jean Wyllys teria "avisado" a outro deputado que iria cuspir em Bolsonaro. Feito isso, saiu correndo como uma gazela covarde. continuar lendo

Já é sabido que isto que você falou é puro boato: http://www.boatos.org/política-2/jean-wyllys-planejou-cuspir-em-bolsonaro-boato.html

:) continuar lendo

O amigo abaixo não viu o vídeo inteiro. Jw fala claramente q vai cuspir no bolsonaro com um tal de Chico. continuar lendo

Independente do fato de Jean ter comentado ou não com outro deputado que iria cuspir no Bolsonaro, sua atitude não se justifica. É falta de decoro, e é uma tremenda falta de educação. Coisas de pessoas de baixo nível social. continuar lendo

Ops, o aviso então foi depois. Estou aliviado. continuar lendo

"gazela covarde"... isso é discriminação amigo... em tão nobre página... continuar lendo

"Gazela covarde": daí temos a certeza de que sair em defesa do Bolsonaro não tem nada a ver com justiça. continuar lendo

Discurso de ódio e hipocrisia, vê-se com alguém que não mostra a cara. E pior, tudo para defender o criminoso da Lista de Furnas, do irmão funcionário fantasma, do processado por crime ambiental, pelo apologista do nazifascismo. continuar lendo

Falar com o Wagner é como falar com uma porta teimosa, aquela que por mais se empurre ao contrário, sempre vai para o mesmo lado. Todos os crimes cometidos por aqueles que ele defende, "nada foi comprovado", e por outro lado, seus desafetos, sempre foram os piores criminosos deste país. Já disse a ele uma vez, ele fica muito bem falando sobre religião, pois, sobre política, é extremamente tendencioso a ponto de conseguir transformar terroristas em heróis.
Terroristas explodem bombas que irão matar crianças, mulheres e civis inocentes, e para eles, os fins justificam os meios, bem ao estilo de Pablo Escobar...
Esquece-se que seus heróis explodiram bombas que mataram pessoas indiscriminadamente, e que até "justiçaram" um garoto, esquartejando-o na presença do próprio pai.
Justifica os terroristas que davam instruções de "atirar contra policiais", pelo fato de serem policiais, e que, portanto, tinham como obrigação, lutar contra os terroristas. Isto está justificado, mas quando usaram a tortura para descobrir os terroristas que iriam explodir mais inocentes nas ruas, isto não é justificável?
Wagner é e sempre será tendencioso, pois, julga o terrorista melhor que o torturador, quando na verdade, estas duas figuras nem deveriam existir no seio de uma sociedade dita "civilizada".
Se é tão religioso quanto tenta parecer, deveria ter um pouco mais de respeito pela sociedade da qual faz parte, pois, se abomina tanto os torturadores que tinham sempre como alvos específicos, os terroristas, mais ainda deveria abominar o terrorista, que para agir contra seus "inimigos", se propunham a matar muitos inocentes. continuar lendo

O deputado Bolsonaro pelo seu comportamento discriminatório e agressivo desperta esse tipo de reação. Vale a máxima...para toda ação, uma reação. continuar lendo

Sempre há uma justificativa para quem ofende, mas para opiniões não, é algo abominável. Cuspir é reação. Falar o que pensa é agressivo, discriminatório, desperta ódio.
Além de mal educado, ele demonstrou ser um covarde (por correr) e um mentiroso (por inventar histórias pra se justificar). E o pior é que não dá pra cobrar nem hombridade do rapaz.
Seu comentário defende o indefensável e inverte a ordem moral das coisas. continuar lendo