jusbrasil.com.br
29 de Setembro de 2020

“Quo usque tandem abutere, Eduardo Cunha, patientia nostra?

Luiz Flávio Gomes, Político
Publicado por Luiz Flávio Gomes
há 5 anos

Quo usque tandem abutere Eduardo Cunha patientia nostra

Parafraseando o maior orador da Roma antiga, Marco Túlio Cícero, que foi autor do livro Catilinárias (série de quadro discursos impregnantes, contra o senador Lúcio Sérgio Catilina, um corrupto falido e sabotador da ordem por seus crimes e vícios), no ano de 63 a. C., quando era cônsul[1], cabe proclamar:

Quo usque tandem abutere, Catilina, patientia nostra?

Até quando, Catilina, abusarás da nossa paciência?

Até quando os canalhas da República Velhaca (1985-2015) abusarão da nossa paciência enquanto são apurados os seus ignominiosos crimes (seja nas Comissões de Ética, seja na Lava Jato)?

Quam diu etiam furor iste tuus eludet?

Por quanto tempo a tua loucura há de zombar de nós?

Por quanto tempo o Ministério Público, a Polícia Federal, os Juízes e o povo suportarão as astuciosas manobras jurídicas protelatórias da escória da República Velhaca, bem como as loucuras que zombam persistentemente de todos nós?

Quem ad finem sese effrenata iactabit audacia?

A que extremos se há de precipitar a tua desenfreada audácia?

Até quando nossa nação continuará sendo palco de um clube mafioso cleptocrata que todos os dias nos rouba, privando-nos até mesmo de minguadas esperanças futuras? Até quando vamos permitir que a desenfreada audácia dos “bandoleiros da República” (Velhaca) continue nos importunando, nos indignando e nos surrupiando impunemente à luz do dia?

Nihilne te nocturnum praesidium Palatii, nihil urbis vigiliae, nihil timor populi, nihil concursus bonorum omnium, nihil hic munitissimus habendi senatus locus, nihil horum ora vultusque moverunt?

Nem a guarda do Palatino, nem a ronda noturna da cidade, nem o temor do povo, nem a afluência de todos os homens de bem, nem este local tão bem protegido para a reunião do Senado, nem a expressão do voto destas pessoas, nada disto conseguiu perturbar-te?

Nem as provas cabais, sobretudo do Ministério Público da Suíça, nem suas contas secretas (não declaradas ao Fisco nem à Justiça Eleitoral), nem as delações dos seus companheiros do clube mafioso cleptocrata, nem suas astutas tentativas de movimentação das contas clandestinas, para impedir ou obstruir a investigação criminal na Lava Jato, nem suas indecorosas manobras para adiamentos infinitos dos julgamentos na Comissão de Ética, nem suas cabeludas mentiras, nem seus conluios protetivos com comparsas criminosos da cleptocracia, nem o ódio e o nojo do povo, nada disso conseguiu perturbar-te?

Patere tua consilia non sentis?

Não te dás conta que os teus planos foram descobertos?

Não percebem, crápulas da direita ou da esquerda, integrantes da República Velhaca (1985-2015) bem posicionados dentro do Estado e do Mercado cartelizado, que seus crimes já descobertos estão aniquilando a maior parte do povo brasileiro que agoniza em virtude de tanta fome e miséria, tanta dor e tamanho sofrimento, gerado pela improvisação das barragens que se rompem, das políticas públicas que não previnem doenças nem mosquitos, das anencefalias que atingem prioritariamente os desfavorecidos, das inundações ou secas que afligem as populações, da inflação que aniquila os pobres, da violência que vergasta, do desgoverno que maltrata todos?

Constrictam omnium horum scientia teneri coniurationem tuam non vides? Não vês que a tua conspiração a têm já dominada todos estes que a conhecem?

Não reconhecem que suas mentiras e conspirações, que seus conluios licitatórios e subornos, estão agudizando as crises política, econômica, social e ética que estamos experimentando conjuntamente? Por que não enxergam o caos social e econômico que já forjaram nem o colapso iminente que é a antessala do abismo?

Quid proxima, quid superiore nocte egeris, ubi fueris, quos convocaveris, quid consilii ceperis, quem nostrum ignorare arbitraris? O tempora, o mores!

Quem, dentre nós, pensas tu que ignora o que fizeste na noite passada e na precedente, onde estiveste, com quem te encontraste, que decisão tomaste? Oh tempos, oh costumes!

Que pensam esses escroques da República Velhaca, que cotidianamente enojam a nação com suas discussões estéreis e agressivas? Que tipo de ética destilam diuturnamente em seus afazeres? Onde aprenderam que a função do político é disputar o poder pelo poder e o dinheiro pelo dinheiro? Não leram José Mujica que diz que “quem quer ficar rico não pode entrar na política”? Olhem a qualidade das leis que produzem assim como os problemas intermináveis que estão gerando, muitas delas “compradas” pelos setores cafajestes do Mercado de compadres! Até quando ficarão impunes suas “emendas” e “jabutis” encomendados e regados a dólares? Até quando perdurará a impunidade dos partidos financiados com o dinheiro da corrupção? Que tipo de sorte possuem os canalhas do Estado e do Mercado que nos ludibriam diacrônica e sincronicamente sem serem importunados em seus cargos, especialmente os de comando, nem em suas riquezas ilícitas? Até quando os ensaboados e vaselinados continuarão se esguiando por entre os meandros dos poderes e dos escombros normativos em clara afronta à Justiça e ao povo? De onde saíram esses monstros, prodígios da perversidade, da astúcia e da maldade?


[1] Ver Wikipedia e Discursos que inspiraron la Historia, FIELD, Jacob F. Tradução de Jaime Jerez. Madrid: Editorial EDAF, 2014, p. 31.

65 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

"infinita patientia".

Talvez esse seja o mal dos brasileiros. continuar lendo

O difícil hoje é saber, verdadeiramente, quem é quem! Se o problema fosse só a sujeira dos integrantes dessa República Velhaca, tão bem caracterizada em artigo publicado ontem, dos males seria o menor. Hoje o povo não acredita em ninguém, nem nesses e nem muito menos em seus possíveis sucessores, tanto os sucessores legítimos, como o vice e demais, como os possíveis credenciados para disputar a presidência.
Dai a César o que é de César! continuar lendo

Usque tandem Dilma et PTralhas abuterent. continuar lendo

"Que coisa há ainda nesta cidade que te possa dar gosto, pois ninguém há que não te tema? Fora desta conjuração de gente estragada, ninguém há que não te aborreça."

"OS BONS ROMANOS ODEIAM CATILINA" ...

Vindo do nosso "Catilina" da República Velhaca, nem esta oposição que o mesmo manipula para manter-se impunemente em seu trono de sujeira! continuar lendo

Os bons brasileiros odeiam PTralhas. continuar lendo

Esses "bons brasileiros" são os ridículos ideologistas que acabam com esse país feito de ignorantes e egoístas. continuar lendo

Os bons brasileiros não tem partido, porque de "Catilina" nosso país está cheio! continuar lendo

Dr: Luiz Flávio Gomes, bendita seja o momento que te escolhi para segui-lo neste Portal, sua, coerência e imparcialidade, mesclados com seu saber Jurídico deixa muito claro para todos nós o quanto "os criminosos" Tanto político como sociais, nos humilha, certos de que em algum momento, se safarão impunes dos seus crimes!! Cabe a nós permitir que isto aconteça!!!! continuar lendo

Meu caro, se o LFG é imparcial, eu nem sei mais o que é ser partidário. Se dê ao trabalho de ver os posts do mesmo. Não há um sequer que não seja em apoio o bando do PT. continuar lendo