jusbrasil.com.br
16 de Outubro de 2021

Cleptocracia matou Nova República

Luiz Flávio Gomes, Político
Publicado por Luiz Flávio Gomes
há 7 anos

A Nova República (pós-ditadura) está morta! Morreu no dia em que completou 30 anos (1985-2015). A massa rebelada nas ruas (mais de 2 milhões de pessoas, segundo estimativa das polícias militares) falou em impeachment, fora PT e muito (muito mesmo!) em “fim da corrupção”. A causa mortis da Nova República decorre de uma série de complicações (econômicas, políticas, sociais, educacionais, eleitorais, “teatrais” etc.), mas a doença de maior eficácia mortífera chama-se cleptocracia, que significa o Estado governado por ladrões pertencentes às classes dominantes ou reinantes, ou seja, as que dominam o poder econômico, financeiro, político e administrativo do País (esses 4 núcleos serviram de base para o Procurador-Geral dividir a criminalidade organizada “complexa” no petrolão).

A cleptocracia, como se vê, não significa qualquer tipo de corrupção ou de roubalheira (que é uma experiência nacional antiga). Trata-se da alta corrupção, da corrupção praticada por quem tem o poder de comandar grande parcela do orçamento público (do Estado brasileiro). Todos os governos da Nova República (governos de Sarney, Collor, Itamar, FHC, Lula e Dilma) ostentam a imagem de cleptocratas, ou seja, de ladrões (uns mais, outros menos, mas todos os governos receberam essa pecha ou pelo menos todos foram assim percebidos pela população).

Praticamente todos os grandes partidos políticos estão envolvidos com essa mais nefasta corrupção, que é praticada por quem tem o domínio da nação (econômico, financeiro, político e administrativo). Só com base na delação premiada do Delator-Geral da República (cleptocrata), que é o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto da Costa, já são 7 (sete) os partidos dos políticos investigados pelo escândalo: PP, PMDB, PT, PTB, PSDB, SD e PSB. Considere-se, no entanto, que, até o momento, já foram 15 delações. Nas outras 14, feitas por Sub-Delatores-Gerais da República (cleptocrata), muitos outros políticos e partidos estão fartamente citados (já incluindo-se corrupção em outros setores, como o da energia).

Qual a grande farsa que a cleptocracia (especialmente a brasileira) derrubou? A de que haveria ruptura entre a economia (ciência econômica) e a política (ciência política). A tese é do final do século XIX e foi defendida por William Stanley Jevons, León Walras, Anton Menger e Antoine Augustin Cournot, na onda da revolução marginalista (veja Jaime Osorio, El Estado en el centro de la mundialización: 128-129). Para a economia política clássica, que se cristaliza na segunda metade do século XVIII e primeira do século XIX, com François Quesnay, Adam Smith e David Ricardo, a reflexão econômica era inseparável da política, das classes sociais, das formas de apropriação da riqueza social. O que essa farsa tem a ver com a roubalheira na pátria mãe gentil?

Enquanto prosperou a velha tese da separação entre economia e política (entre o mercado e a democracia) só eram visíveis os corrompidos (funcionários públicos e políticos), não os corruptores (os donos do dinheiro e, em consequência, do poder econômico e financeiro). Com a cleptocracia abundantemente evidenciada nos mensalões (do PT e do PSDB) e, agora, no petrolão (acontece a mesma coisa no cartel do metrôSP), passaram a ganhar imensa visibilidade também os corruptores de alto calibre do mundo econômico e financeiro, que se unem frequentemente com o poder político e administrativo para, juntos, numa Parceria Público/Privada entre Poderosos (das classes dominantes ou reinantes) promover a Pilhagem do Patrimônio Público.

Trata-se da criminalidade organizada P7 (Parceria Público/Privada entre Poderosos para a Pilhagem do Patrimônio Público), cujos protagonistas ladrões sempre foram beneficiários do silêncio obsequioso de todos os criminosos do grupo (a máfia chama isso de omertà). Esse silêncio mafioso foi rompido pela primeira vez de forma sistemática pelos membros da criminalidade organizada P7. O resultado (ainda preliminar) já começou a aparecer: 16 empreiteiras atuavam em cartel na Petrobras (segundo o MP), 24 ações já foram iniciadas (19 penais e 5 cíveis), 11 empreiteiros estão presos (além de vários diretores e funcionários da Petrobras), 15 acordos de delação premiada já foram firmados, 54 pessoas estão sendo investigadas, dentre elas 35 parlamentares, dois governadores (Pezão-RJ e Tião Viana-AC) e um ex-governador (Sérgio Cabral) etc. Desfraldados os véus farsantes dos verdadeiros donos do poder (poder econômico e financeiro), sabe-se que o mundo da corrupção cleptocrata (corrupção de alto nível, dos poderosos) é muito mais imundo e profundo do que o povo brasileiro poderia imaginar.

P. S. Participe do nosso movimento fim da reeleição (veja fimdopoliticoprofissional. Com. Br). Baixe o formulário e colete assinaturas. Avante!

72 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

A "Cleptocracia" por qual passa no Estado Democrático, encontra suas causas na flexibilização e relativização de valores e de instrumentos legais, professor.

É a grande degeneração pela qual passaram os grandes impérios do passado - Roma, Pérsia, Egito - e por que passamos hoje.

Somos ensinados, para não dizer doutrinados, desde pequenos nas escolas que assassinos, estupradores e ladrões, não são vilões, mas sim vítimas das injustiças do capitalismo.

Nossas autoridades públicas, responsáveis pela ordem - policiais, forças armadas - são quase sempre demonstrados e relatados como fascistas, responsáveis por limpezas étnicas genocidas. O narcotraficante, por outro lado, é visto como um Herói. O Robin Hood, moderno. A Dilma até construiu um busto em homenagem àquele traficante que foi executado na Indonésia, a título de ilustração.

Nossos empresários responsáveis pelo desenvolvimento dos meios de produção - pequeno e grande empresário - são demonstrados como ladrões que escravizam o trabalhador. Ensinam desde cedo nossas crianças a odiá-los. Quando, na verdade, são homens de visão, que muitas vezes vieram lá do "chão" e mudaram e revolucionaram o mundo, vide Henry Ford, Steve Jobs, Bill Gates.

Deus e os valores ligados a ele, em que pese a liberdade religiosa, nas entrelinhas O MEC ensinou nossos filhos a vê-lo como instrumento de dominação de elites. (Nos mesmo moldes pregados por Karl Marx, em O Capital).

Até o núcleo familiar é tratado e ensinado como instrumento de dominação, quando na verdade, foi a base que sustentou e impulsionou o Ocidente nos últimos mil anos.

A própria meritocracia tem sido relativizada... (olha o ponto em que chegamos...)

Enfim... não me espanta se diante de tudo isso, sejamos impulsionados a degeneração de valores e de caráter. A Cleptocracia até pode ter matado a "Nova República", mas antes delas, quem segurou o Cutelo, foi o marxismo. E a doutrinação gramsciana, proposta nos Cadernos do Cárcere, que já posta em prática há várias gerações. E como resultado vemos isso...

Antes, enquanto sociedade, não éramos perfeitos, mas como sempre reitero, as pessoas estavam dispostas a guiar sua vida pela Honra, pela Pátria e pela Família.

Mas, hoje, saia na rua e grite: HONRA, PÁTRIA E FAMÍLIA.

Você será chamado de "Fascista" ou de todos os piores adjetivos possíveis que se possa imaginar.

Sempre aparecerá um Jean Wyllys, aplaudido por uma multidão para falar: "A Bíblia é uma piada, quem crê nela é palhaço e as igrejas são uns circos". E mais uma legião criticando o núcleo familiar e o ufanismo.

Sempre aparecerá um "rebelde sem causa" filho da classe média, que sempre teve tudo e que nunca trabalhou na vida, querendo redesenhar todas as instituições consolidadas em nossa sociedade e na visão deles "mudar o mundo", mas que sequer são capazes de arrumar o próprio quarto.

Sempre aparecerá uma Marilena Chaui, que ganha 24 mil como professora na USP dizendo que odeia a Classe Média (a mesma que paga o salário dela, por ironia), pedindo para a elite egoísta e "porca" dividir suas riquezas que foram fruto de roubo (ironicamente, ela não quer dividir a dela).

Ou... uma Carta Capital (que recebe dinheiro do governo, isso poucos sabem, e inclusive já foi fruto de investigação do MPF) falando que as elites querem derrubar o PT por causa da ajuda que esse partido deu aos pobres e oprimidos. (Ironicamente quem aplaudiu a Dilma no Anhembi foi a elite, e quem vaiou foi o povão)

Caro professor... não me espanta o país ter ficado assim, espantaria-me se ele não tivesse ficado.

Como sempre, cito Rui Barbosa:

"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto." continuar lendo

É sempre a mesma coisa, todo mundo acha os textos do professor Luiz Flavio Gomes perfeito, muito bom, excelente, parabenizam (com muito louvor) mas eu acreditaria mais na classe dos advogados, se eles fizessem um movimento contra o sistema politico e contra a corrupção. Valeria mais que qualquer outro movimento já feito até hoje, pois ninguem melhor que eles sabem qual caminho trilhar para obter exito, o que para os mortais é bem dificil. continuar lendo

Excelente texto!! continuar lendo

Nobre colega, repito minhas palavras, a culpa, aliás, a institucionalização da CLEPTOCRACIA no Brasil data dos idos de 1808, quando a Corte Portuguesa desembarcou em terras tupiniquins, fugindo do Napoleão, trazendo consigo as riquezas portuguesas, e quando retornou a Portugal, levando consigo os fundos do Banco do Brasil. Quer maior escola de CLEPTOCRACIA do que esta? O que há de se esperar de uma País fundado em bases IMPERIAIS, onde existe "O ESTADO SOU EU" que derrubou a primeira constituição na penada de D.Pedro I, a pedidos. O fato que ainda permanece e que muitos se confundem é o seguinte, o Brasil é uma REPÚBLICA FEDERATIVA, NÃO HÁ IMPERADORES, nem TOTALITARISTAS, capazes de ultrapassar o comando legal. Enquanto, a digníssima corja de malfeitores, aliás "maufeitores", que continua governando os entes federados há de IMPERAR A CLEPTOCRACIA! continuar lendo

Brilhante !!

Essa Marilena Chauí representa o que existe de pior na Universidade.

De uma postura simplesmente grotesca, que chega a embrulhar o estômago.

Pobre Brasil, com esses "intelectuais"... continuar lendo

Nada que necessite ser adicionado aos comentários levados a efeito pelo Carlos Guilherme.
Obrigado e, nada mais. continuar lendo

Caro Jerson MAttos. Como filho de advogado e advogado atuante, tenho percebido que a classe não está unida, que a defesa da sociedade e da Constituição ficaram em último lugar e que sobressai o interesse financeiro. A tão amada instituição OAB parece apoiar os desmandos do atual governo deixando de atuar, por exemplo, quando aos inconstitucionais empréstimos internacionais firmados. Que me desculpem a franqueza, mais atribuo a situação da classe aos próprios professores que esqueceram de cobrar uma posição ética dos alunos e às faculdades que não dão o devido ênfase aos Estatuto e ao Código de Ética em suas grades. Mais acredito numa virada, a dormência haverá de sumir da mente de tão importantes profissionais que poderão encabeçar a luta pelo resgate dos valores éticos e morais de nossa sociedade. continuar lendo

O Brasil infelizmente está sendo governado por uma horda de esquizofrênicos e psicopatas. Esquizofrênicos por que nunca sabem de nada e só veem o que querem ver (até numa concentração gigantesca contra a corrupção, roubalheira, aparelhamento do Estado pelo Partido (aliás, Partido com o qual eles se importam mais do que com a Nação e, por isso, querem agigantá-lo em detrimento desta), conseguem enxergar "golpismo", quando é absolutamente legítimo cogitar de impeachment porque está na Constituição e na lei, votadas e aprovadas por aqueles eleitos pela vontade popular. Psicopatas porque querem fazer crer que o marxismo cultural que estão tentando implementar fará bem ao país, o que, só em mentes doentias pode caber, sendo fácil olhar a história e ver que onde foi implantado tal sistema de ideias e ações castrador das liberdades individuais e coletivas, a população foi nivelada pela miséria (Estado não é deus e nada produz) e viveram (ou vivem) debaixo de opressão colossal (inclusive comendo por quota) enquanto os "do partido" tem contas secretas nos paraísos fiscais, vivem uma vida nababesca e andam em carros luxuosos. O capitalismo precisa ser civilizado, mas, não há dúvida, é muito melhor do que o flagelo do socialismo, eis que permite prosperar pelo mérito (um coletor de lixo pode, pelo esforço, tornar-se Doutor), enquanto no mundo da fantasia dos comunas só quem se dá bem são os "do partido" e seus asseclas. continuar lendo

A verdade é que o único jeito de acabar com essa roubalheira é diminuindo o tamanho do Estado e criando uma impossibilidade "forçada" de roubar, pois assim o Estado teria menos dinheiro para administrar e, via de consequência, menos dinheiro para roubar.

Eu considero contraditório discursos como "queremos saúde, moradia, comida e direitos sociais" aliados ao "fim da corrupção, políticos ladrões e etc...", pois a pessoa querer um Estado inchado e altamente assistencialista significa querer um Estado inchado e com muito dinheiro para ser desviado por políticos.

A história já nos mostrou que isso não irá mudar, então o único jeito é deixar o menor número de dinheiro possível para o Estado administrar. continuar lendo

Acredito que as pessoas que estão nos protestos possuem um passado tributário legítimo, ou seja, nunca sonegaram impostos, ou enviaram remessas de recursos ao exterior, etc.
Assim, possuem legítimo direito de reclamarem e se expressarem. continuar lendo

Ambiguo seu comentário. Não entendi o propósito.
Se acharmos algum sonegador, devíamos esquartejá-lo como Tiradentes? continuar lendo

Como alguns que estão na lista do SwissLeaks? continuar lendo