Entre no Jusbrasil para imprimir conteúdo de Decisões

Imprima Decisões de vários Tribunais em um só lugar

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

jusbrasil.com.br
23 de Maio de 2018

Venda de bebida alcoólica para menor de 18 anos

Luiz Flávio Gomes, Professor de Direito do Ensino Superior
Publicado por Luiz Flávio Gomes
há 3 anos

Luiz Flávio Gomes (estou no luizflaviogomes. Com) e Vicente de Paula Rodrigues Maggio (Advogado. Doutor em direito penal pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP. Professor de direito penal e processo penal em Instituições de Ensino Superior, cursos preparatórios para carreiras jurídicas e em programas de pós-graduação)

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, no último dia 24.02.2015, o Projeto de Lei 5.502/2013, do Senado Federal, que tipifica como crime, no Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/1990), a venda de bebidas alcoólicas a menor de 18 anos. A matéria foi enviada para sanção presidencial.

Resumo: o presente artigo tem a finalidade de apresentar uma análise do crime de VENDA DE BEBIDA ALCOÓLICA A MENOR DE 18 ANOS (Lei 8.069/1990, art. 243), cujo dispositivo deverá ser brevemente sancionado, visando a possibilitar aos operadores do direito uma reflexão sobre as particularidades do delito, bem como o reflexo social e os objetivos almejados pelo legislador (que podem resultar frustrados, diante da ausência de fiscalização e da ineficácia das leis penais no Brasil).

Parte I – Vicente Maggio - Sumário: 1. Introdução - 2. O texto atual do dispositivo a ser alterado - 3. O texto futuro do dispositivo a ser sancionado - 4. A proibição de venda de bebidas alcoólicas a menor de 18 anos - 5. Possibilidade de substituição da pena.

1. Introdução

A venda de bebidas alcoólicas à criança ou ao adolescente já era uma conduta proibida tanto pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 9.069/1990, art. 81, II) como pela Lei das Contravencoes Penais (art. 63, I). O mesmo artigo também proíbe a venda de armas, munições e explosivos, produtos que possam causar dependência física ou psíquica, fogos de artifício etc. No entanto, a venda de bebidas alcoólicas a menor de 18 anos não estava tipificada como crime, nem tampouco existia uma cominação de pena no ECA pelo descumprimento da proibição.

2. O texto atual do dispositivo a ser alterado

Atualmente o dispositivo legal em estudo (com a redação dada pela Lei 10.764/2003), dispõe: "Vender, fornecer ainda que gratuitamente, ministrar ou entregar, de qualquer forma, a criança ou adolescente, sem justa causa, produtos cujos componentes possam causar dependência física ou psíquica, ainda que por utilização indevida: Pena - detenção de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa, se o fato não constitui crime mais grave" (Lei 9.069/1990, art. 243).

Observa-se a ausência de tipificação da conduta consistente em vender, fornecer, servir, ministrar ou entregar, ainda que gratuitamente, de qualquer forma, bebida alcoólica a menores de 18 anos. Na atualidade, a referida conduta de servir bebidas alcoólicas a menor de 18 anos caracteriza contravenção penal, cuja pena é de prisão simples de dois meses a um ano, ou multa (LCP, Decreto-lei 3.688/1941, art. 63, inciso I).

3. O texto futuro do dispositivo a ser sancionado

O crime de venda de bebida alcoólica a menor de 18 anos consiste no fato de o agente "Vender, fornecer, servir, ministrar ou entregar, ainda que gratuitamente, de qualquer forma, a criança ou adolescente, bebida alcoólica ou, sem justa causa, outros produtos cujos componentes possam causar dependência física ou psíquica: Pena - detenção, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa, se o fato não constitui crime mais grave" (Lei 8.069/1990, art. 243).

Tipificada como crime a venda de bebida alcoólica a menor de 18 anos, necessariamente revoga-se a respectiva contravenção penal contravenção penal (LCP, Decreto-lei 3.688/1941, art. 63, inciso I), nos termos do disposto no art. 3º, do Projeto de Lei 5.502/2013, em estudo. A lei nova (mais severa) é irretroativa. Fatos ocorridos antes da sua vigência serão regidos pela lei anterior (contravenção penal).

4. A infração administrativa de venda de bebidas alcoólicas a menor de 18 anos

O Projeto de Lei 5.502/2013 não revoga a proibição (administrativa) de venda de bebidas alcoólicas à criança ou ao adolescente que está prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 9.069/1990, art. 81, II). Além disso, insere no referido Estatuto, o art. 258-C, que dispõe: "Descumprir a proibição estabelecida no inciso II do art. 81: Pena - multa de R$ 3.000,00 (três mil reais) a R$ 10.000,00 (dez mil reais). Medida Administrativa - interdição do estabelecimento comercial até o recolhimento da multa aplicada" (Projeto de Lei 5.502/2013, art. 2º).

A mesma conduta (que antes era mera contravenção penal), conta, agora, com dupla tipificação: como crime e como infração administrativa. A infração administrativa do art. 258-C, no entanto, não se confunde com o crime do art. 243. Em todas as infrações administrativas do ECA (art. 245 e ss.) o legislador aponta o sujeito ativo da infração. Seguem três exemplos:

(1) art. 258: Deixar o responsável pelo estabelecimento ou o empresário de observar o que dispõe esta Lei sobre o acesso de criança ou adolescente aos locais de diversão, ou sobre sua participação no espetáculo: Pena - multa de três a vinte salários de referência; em caso de reincidência, a autoridade judiciária poderá determinar o fechamento do estabelecimento por até quinze dias; (2) Art. 258-A. Deixar a autoridade competente de providenciar a instalação e operacionalização dos cadastros previstos no art. 50 e no § 11 do art. 101 desta Lei: Pena - multa de R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 3.000,00 (três mil reais); Parágrafo único. Incorre nas mesmas penas a autoridade que deixa de efetuar o cadastramento de crianças e de adolescentes em condições de serem adotadas, de pessoas ou casais habilitados à adoção e de crianças e adolescentes em regime de acolhimento institucional ou familiar; (3) Art. 258-B. Deixar o médico, enfermeiro ou dirigente de estabelecimento de atenção à saúde de gestante de efetuar imediato encaminhamento à autoridade judiciária de caso de que tenha conhecimento de mãe ou gestante interessada em entregar seu filho para adoção: Pena - multa de R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 3.000,00 (três mil reais); Parágrafo único. Incorre na mesma pena o funcionário de programa oficial ou comunitário destinado à garantia do direito à convivência familiar que deixa de efetuar a comunicação referida no caput deste artigo.

No art. 258-C o legislador, elipticamente, não seguiu a mesma técnica legislativa. Mas parece não haver dúvida de que as sanções administrativas estão dirigidas contra o responsável pelo estabelecimento ou o empresário (da mesma forma como está previsto no art. 258). Essa interpretação é reforçada pela redação da medida administrativa (interdição do estabelecimento), que faz expressa referência ao estabelecimento comercial. Como se vê, estão previstas duas punições distintas para um mesmo fato (crime + infração administrativa).

O responsável penal pelo crime do art. 243 é somente quem, diretamente, tenha praticado qualquer um dos verbos contidos na lei (vender, fornecer, entregar, servir etc.). Pode ser o proprietário do estabelecimento comercial ou um empregado. A responsabilidade penal é pessoal, ou seja, não se transfere a nenhuma outra pessoa; não existe responsabilidade coletiva ou empresarial ou familiar no campo penal (veja nosso livro Curso de Direito penal, no prelo, Juspodium); se o garçom vendeu bebida alcoólica para menor, sem o conhecimento do proprietário, aquele é o responsável penal pelo fato, não o proprietário. A responsabilidade penal, de outro lado, é subjetiva, ou seja, pressupõe o dolo ou a culpa. Não havendo dolo (consciência e vontade de praticar o fato) ou culpa, não há que se falar em responsabilidade penal (porque não existe responsabilidade objetiva no direito penal).

O responsável administrativo (pela infração administrativa) é o estabelecimento comercial ou seu proprietário. Se o proprietário de um estabelecimento comercial (inclusive um supermercado) vende qualquer bebida alcoólica a um menor de 18 anos, sobre ele recairão duas responsabilidades: a penal e a administrativa. Esse autor responderá pelo crime de venda de bebida alcoólica a menor de 18 anos (Lei 8.069/1990, art. 243) e, ao mesmo tempo, pelo descumprimento da proibição de venda de bebidas alcoólicas a menor de 18 anos (Lei 8.069/1990, art. 258-C combinado com o art. 81, II).

Teoricamente são duas sanções para o mesmo fato ilícito, ou seja: (1) uma pena privativa de liberdade cumulada com multa (do direito penal); (2) uma pena de multa administrativa + interdição do estabelecimento até o seu recolhimento. Vê-se que teoricamente incidiriam sobre o proprietário do estabelecimento duas multas: uma de direito penal e outra de direito administrativo. Quando se trata de pessoas distintas (um empregado responsável pela conduta penal e um proprietário responsável pela infração administrativa), cada um dos envolvidos responde pelas suas sanções respectivas. Quando se trata da mesma pessoa (o proprietário do estabelecimento) pensamos que a acumulação de todas as sanções previstas na lei é desproporcional. Nossa sugestão interpretativa: que ele responda pelo crime do art. 243 com a pena privativa de liberdade, sem a incidência da multa penal; e que ainda responda pela infração administrativa (que consiste numa multa administrativa). A acumulatividade de tudo, nesse caso, viola não só o princípio da razoabilidade como o da vedação do bis in idem.

5. Possibilidade de substituição da pena

Considerando que a pena privativa de liberdade não é superior a quatro anos e o crime não é cometido com violência ou grave ameaça à pessoa, se preenchidos os demais requisitos legais, a pena privativa de liberdade pode ser substituída por pena restritiva de direito, ou pela multa, de acordo com a sistemática oferecida pela lei (CP, art. 44). São espécies de penas alternativas: (1) prestação pecuniária; (2) perda de bens e valores; (3) prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas; (4) interdição temporária de direitos; (5) limitação de fim de semana.

Parte II – Considerações de política criminal – Luiz Flávio Gomes

1. A venda, fornecimento, entrega etc. De bebida alcoólica para menor de 18 anos já era uma contravenção penal no direito brasileiro (LCP, art. 63, I). A nova lei vai transformar a antiga contravenção em crime (e também em uma infração administrativa, para o estabelecimento comercial). Essa é a 155ª lei penal reformadora do sistema penal brasileiro (de 1940 a 2015). No nosso livro Populismo penal legislativo (no prelo), procuramos demonstrar que o grave problema do Brasil não é a ausência de leis, sim, a ineficácia delas. O que nos falta é a certeza do castigo justo (como pregava Beccaria, em 1764).

2. Diante da ineficácia das leis penais (quase absoluta), o legislador aprova uma nova lei penal mais dura e vende para a população como solução para o problema. Mas se a lei anterior não era bem aplicada, a nova (ainda que com penas mais duras) também não o será. Existe uma demanda popular e midiática no sentido do endurecimento do sistema penal. O legislador sempre atende essa demanda. Já elaborou 155 novas leis penais desde 1940 e nenhum crime reduziu. O legislador mostra eficiência (155 reformas), mas a eficácia (dos resultados) não acontece. Não basta sermos eficientes, posto que devemos acima de tudo ser eficazes. A distinção entre eficiência e eficácia aqui tem total pertinência. Sem a fiscalização necessária a lei penal nova tende a se comportar como todas as demais leis penais anteriores (nada alterando na realidade).

Venda de bebida alcolica para menor de 18 anos

4 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Então esse é o tipo de lei que nasceu pra morrer. Pelas seguintes razões:
1 - Quem vai fiscalizar isso?
2 - Quem vai denunciar?
3 - Como se vai fazer a prova?

Lembrando que o nosso sistema judiciário não é exatamente o mais veloz e justo do mundo. Estamos pedindo para os próprios criminosos se entregarem, e ao mesmo tempo estamos colocando uma arma na cabeça de qualquer um que venda álcool e/ou drogas legais. Pois pelo texto legal é proibido vender remédios para menores de 18 anos, assim como cigarros, esmaltes ou produtos cujos componentes possam causar dependência física ou psíquica, avisando que açúcar e refrigerante podem sem incluídos nesse aspecto.

Mais uma vez nossos legisladores dão um tiro na cara da sociedade e querem ser aplaudidos. Afinal somos tão burros assim? continuar lendo

Infelizmente, o descumprimento da lei já começa nas cercanias da casa, da família, em que pais sem um talho de bom senso já facilita a o franqueamento do filho à vida alcoólica, pelo seu exemplo, ou que não tem problema, em casa pode. Daí a aquisição lá fora, no mundo, é questão de tempo, pois o brasileiro sempre dar um jeitinho, não é Gerson? continuar lendo

Deixar o menor de 18 anos votar é legal. E o resto, é uma total falta de incoerência. Lamentável. continuar lendo