jusbrasil.com.br
17 de Outubro de 2019

19 das 50 cidades mais violentas do mundo são brasileiras

Luiz Flávio Gomes, Político
Publicado por Luiz Flávio Gomes
há 5 anos

A violência epidêmica está em disparada galopante. Isso ocorre desde 1980, quando tínhamos 11 mortos para cada 100 mil pessoas; em 2012, pulamos para 29 para cada 100 mil habitantes (veja Mapa da Violência). Tanto os governantes (perdidos na corrupção endêmica, de que a Petrobras e o metrô de SP são repugnantes exemplos) como outras lideranças nacionais (com raras exceções, topeiras ideológicos de esquerda ou de direita, liberal ou conservador, que não conseguem enxergar nada além das suas contas bancárias), incluindo-se também a sociedade civil (insolidária e fortemente ignorante: ¾ são analfabetos funcionais), continuam com os olhos tapados para a cruenta realidade (que vem provocando êxodos imensos em vários bairros periféricos dos grandes centros urbanos). De uma peste leprosa (violência epidêmica) não se pode esperar boa coisa. A paciência do povo tem limite (ainda que se trate de um povo amedrontado, conformista e acovardado pelo ambiente hostil). Povo que parece estar se acostumando com a violência, como se fosse uma lei da natureza.

Em 2011, tínhamos 14 das 50 cidades mais violentas do planeta; esse número subiu para 15 em 2012 e 16 em 2013 (Maceió, Fortaleza, João Pessoa, Natal, Salvador, Vitória, São Luís, Belém, Campina Grande, Goiânia, Cuiabá, Manaus, Recife, Macapá, Belo Horizonte e Aracaju). Em 2014 chegamos a 19 (por ordem crescente de homicídios): João Pessoa, Maceió, Fortaleza, São Luís, Natal, Vitória, Cuiabá, Salvador, Belém, Teresina, Goiânia, Recife, Campina Grande, Manaus, Porto Alegre, Aracaju, Belo Horizonte, Curitiba e Macapá. João Pessoa, agora, das grandes, é a cidade mais violenta do país. Como se vê, o termômetro da violência no Brasil e na América Latina está aumentando (conforme os números apresentados pela Organização da Sociedade Civil mexicana, chamada Consejo Ciudadano para la Seguridad Pública y la Justicia Penal, que divulgou, em janeiro de 2015, o ranking das 50 cidades mais violentas do planeta - cidades com mais de 300 mil habitantes).

A cidade hondurenha de San Pedro Sula ocupa, pelo quarto ano consecutivo, o primeiro lugar no ranking com taxa de 171,2 homicídios por cada grupo de 100 mil habitantes. Atrás dela, assim como em 2013, vêm Caracas (Venezuela) e Acapulco (México), com taxas de 115,98 e 104,16 homicídios por cada 100 mil habitantes, respectivamente. Em seguida aparece a primeira cidade brasileira (João Pessoa, com 79 assassinatos para cada 100 mil pessoas). Eis o ranking:

Saíram da lista de 2014 a seguintes cidades que apareciam em 2013: Santa Maria (Colômbia), San Juan (Puerto Rico), Maracaibo (Venezuela) e Puerto Príncipe (Haiti). Em contrapartida, entraram mais três cidades brasileiras: Teresina, Porto Alegre e Curitiba. A diminuição mais significativa (de 2013 para 2014) ocorreu na cidade mexicana de Torreón (uma redução de 49%, passando de 54,24 em 2013 para 27,81 em 2014). Os aumentos mais expressivos ocorreram na cidade norte-americana de St. Louis (46,27%) e na cidade salvadorenha de San Salvador (36,79%).

Das 50 cidades do ranking, 19 estão no Brasil (campeão mundial nesse item), 10 no México, 5 na Colômbia, 4 na Venezuela, 4 nos Estados Unidos, 3 na África do Sul e 2 em Honduras. Com uma cidade temos El Salvador, Guatemala e Jamaica. A grande maioria das 50 conglomerados urbanos mais violentos do planeta está no continente americano (47 cidades), particularmente na América Latina (43 cidades). Recorde-se que a América Latina foi colonizada pelos espanhois e portugueses dos séculos XVI-XVIII, dois povos (então) extremamente violentos (ambos saídos das guerras contra os mouros), corruptos, violadores sexuais, pouco afeitos ao trabalho, extrativistas, fiscalistas, patrimonialistas, teocráticos e autoritários-patriarcais (A América Latina de 2015 padeceria ainda desses pecados capitais originais?)

Não estão incluídos nos assombrosos números citados os homicídios tentados. As fontes dos dados apresentados são oficiais ou alternativas (são dados e/ou estimativas verificáveis ou replicáveis). Considerando-se não apenas o ranking de 2013 senão também os dos anos anteriores, o caso de maior redução no número de homicídios foi o de Medelín, na Colômbia (que promoveu uma das mais revolucionárias políticas sociais e preventivas das últimas décadas): essa comunidade, que chegou a registrar taxas de 400 homicídios por 100 mil habitantes, em 2010 ocupou a décima posição no ranking com uma taxa de 82,62 homicídios por cada 100 mil habitantes; em 2014 caiu para a posição 49 com uma taxa de 26,91 homicídios por cada 100 mil habitantes. Ou seja, ao longo de 4 anos, a taxa diminuiu 67%. O relatório afirma que, se essa tendência se mantiver, é quase certo que, em 2015, Medelín sairá da lista.

Existe solução para o problema? No Brasil, as autoridades encarregadas da segurança pública continuam, em termos preventivos, com o discurso verborrágico nefasto da aprovação de novas leis penais mais duras e encarceramento massivo aloprado (sem critérios de justiça: muitos não violentos estão na cadeia, enquanto milhares de violentos estão nas ruas). Foram editadas 154 leis penais de 1940 a 2014; somos o 3º país do mundo em superlotação carcerária (mais de 700 mil reclusos, incluindo a prisão domiciliar). Nada disso diminuiu a criminalidade. Conclusão: praticamos no Brasil a política criminal mais burra do planeta (e enganosa da população, ávida para ser vitimizada): gastamos muito com segurança pública (mais de R$ 260 bilhões de reais em 2014, segundo o Fórum da Segurança Pública), sem nenhuma eficácia preventiva. Reprimimos pouco (é baixíssima a certeza do castigo: apenas 8% dos homicídios são apurados, conforme o Mapa da Violência) e não prevenimos nada. Daí o aumento contínuo da criminalidade. A única solução para a segurança pública é o Brasil (hoje 79º colocado) sair do 2º grupo do IDH (índice de desenvolvimento humano) e entrar no 1º, que tem a média de 1,8 assassinatos para cada 100 mil pessoas. Vejamos:

19 das 50 cidades mais violentas do mundo so brasileiras

Com exceção dos EUA, todos os países que contam com as 50 cidades mais violentas pertencem ao 2º ou 3º grupo do IDH:

19 das 50 cidades mais violentas do mundo so brasileiras

A violência epidêmica nesses países extremamente desiguais (Gini altíssimo) não acontece por acaso (a relação de causa e efeito é óbvia). E por que os EUA (5º IDH do mundo) contam com 4 das 50 cidades mais violentas? Porque é um dos países mais ricos do mundo e, ao mesmo tempo, mais desiguais do planeta (Gini 0,45). Por que na lista das 50 cidades mais violentas não aparece nenhuma da Europa? Porque seus países viveram um bom período de bem-estar social (anos 60/80), elevando a escolarização, a saúde e a renda per capita da população. Seu Gini médio (Europa) é de 0,30 (ou seja: baixa desigualdade). Essa é a solução: elevar a escolaridade, a saúde e a renda per capita da população brasileira (ou seja, o IDH). Fora disso, só resta ficar enxugando gelo com toalha quente. E ainda ficar enganando a parcela abobalhada e ignorante da população brasileira, que acredita nas baboseiras e promessas dos políticos justiceiros assim como de outras lideranças nacionais, atoladas na corrupção endêmica. * Colaborou Flávia Mestriner Botelho, socióloga e pesquisadora do Instituto Avante Brasil.

144 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Sinto muita indignação, quando um luloide vem dizer que os U.S.A tem a maior população carcerária... como se a violência lá fosse maior do que aqui! Enquanto que no relatório da ONU mostra que o numero de assassinatos no Brasil é 5x maior do que nos U.S.A um país muito mais populoso , e que o cidadão nasce com o direito natural de portar uma arma de fogo! Porém esses mesmos hipócritas que adoram insinuar isso, não dizem que lá até contravenção penal dá cadeia, por isso tem tantos presos. Ou alguém já viu por exemplo motorista bêbado ir p/ cadeia no Brasil?! País de hipócritas dá nojo!

"Davi Moreira", antes de me criticar, favor tenha bom senso em observar o óbvio! Pois podemos observar as diferenças gritantes entre os 2 países, partindo dos eventos mais curriqueiros do nosso cotidiano.. Você fala em gangues nos U.S , mas nunca fiquei sabendo de toque de recolher expedido por marginais, o que já virou rotina em várias capitais do brasil (é com b minúsculo mesmo)! Aliás, dificilmente você vê uma residência com grades até o telhado, além de cerca elétrica nos U.S. Então meu amigo, os fatos já falam por si sós, pois os norte americanos seguem à risca o principio constitucional mais importante que é o da LIBERDADE, o qual ainda corre em suas veias e é preservado desde a primeira Constituição do país (Será que no brasil algum jurista sabe p/ que servem os princípios constitucionais ?). Enquanto isso, no brasil, a campanha é para não utilizar utensílios de valor como relógios , jóias ou carro de luxo, ou seja, o cidadão precisa se privar daquilo que gosta e conquistou com mérito, p/ não sofrer um arrastão, ou ser vítima de um latrocínio. Aliás, quando aparece uma autoridade é pra expelir a seguinte besteira: "não reaja e não utilize utensílios de valor" ... Então, não preciso dizer mais nada, o sistema penal desse país já superou o senso do ridículo! Tanto vindo da esfera legislativa, quanto vindo do judiciário. Sou operador do direito, e me sinto envergonhado com esse atestado de incompetência proferido por nossas autoridades! Aliás, a demagogia Estatal e acadêmica, chegaram a um ponto tão crítico nesse país, que se alguém tentar propor ações eficazes contra a criminalidade, como é o caso da pena de morte, que de fato reduz significativamente a criminalidade, o indivíduo é taxado de antiquado! Então, continuem distribuindo flores e chocolates p/ traficantes e bandidos, talvez com medidas como essas, eles sintam pena de seu filho antes de puxar o gatilho! E continuem sendo apenas ovelhas! continuar lendo

Isso explica porque somos tão violentos, a baixa resistência à frustração leva as pessoas querem resolver as diferenças com uso da força, uma espécie de cara e coroa na resolução de conflitos. continuar lendo

Jogo de palavras para justificar a incompetência brasileira e inépcia das autoridades todas. Cinismo é grande nessa área, onde pessoas cinicamente alegam termos as leis mais modernas, como se ser "moderno" fosse um mérito em si e fazer primeiro algo que ninguém ainda foi tolo o suficiente para fazer fosse uma virtude. Negam os fatos com discursos falaciosos e argumentos abstratos. Acusar a realidade de violência dos outros países de ser igual a nossa é até uma ofensa a nossa inteligência. O discurso de educação é outra falácia ridícula, pois tenta negar de forma hipócrita que há países menos instruídos que nós que tem o crime sob controle e isso é uma mentira cruel. Cruel porque sendo a educação um bem precioso ao se dizer que o problema da criminalidade no Brasil não é essencialmente esse, a pessoa falaciosa tenta nos impingir a imagem de sermos contra a educação em si, a argumentação baseia-se numa ofensa. continuar lendo

Há violência porque ela é impune. A sensação de que nada é merecedor de punição e de que a punição em si não leva a nada. O discurso do criminoso para não ser preso. Tenho muitos conhecidos que conscientemente não fazem em outros países o que fazem no Brasil, a resposta não está em terem mudado própria cultura, mas em entenderem que serão de fato punidos. Buscar explicações psicológicas e sociais para justificar a inoperância é um problema grave no Brasil continuar lendo

Concordo com o Guilherme, esse negócio de mais Educação é uma grande besteira, porque a 30 anos atrás, o Brasil era um país de analfabetos e a taxa de violência não chegava 10% da atual. Mas naquela época quando o sujeito cometia um crime, logo estava atrás das grades, porque sobrava lugar e a justiça era rápida. Agora, muitos crimes nem são investigados, vão direto para estatísticas. Quando aumentaram o valor da multa por ultrapassar pelo acostamento, falaram que tinha que educar o motorista. Pô, o cara que falar que não sabia que não podia ultrapassar pelo acostamento, deveria perder a CNH na hora, porque não está habilitado para dirigir. Chega de impunidade, falta "Justiça Rápida", "Presídios modernos e sem regalias", "Leis mais Duras" e principalmente para sobrar dinheiro para isso, incluir na Lei de Crimes Hediondos os delitos de corrupção ativa e passiva, peculato, concussão e excesso de exação. continuar lendo

Como Los Angeles não está incluída nesta pesquisa?
Sem mencionar Newark. (Gangues por todos os lados)
E quanto ao comentário do sr. Guilherme, pergunto.... Onde mesmo fica a ONU? Sem comentários. continuar lendo

ROBERTO AMORIM: "fazer primeiro algo que ninguém ainda foi tolo o suficiente para fazer fosse uma virtude"... Ri muito porque a nossa realidade, seja na educação, política ou econômica, é digna de riso, mas concordo com seus argumentos. continuar lendo

Parabéns, Já ouvi falar Teoria das janelas quebradas, muito boa essa teoria, mas o Brasil precisa de Lei mais rigidas e mais educação, resumindo necessita de quase tudo. Vivemos em guerra, que é dificil dizer que guerra estamos vivendo a anos, alguém já imagino somar número de mortes no trânsito com taxa de homícidio e suicidio, Cuidado!!! com resultado você podê até querer sair correndo sem rumo é triste em saber que existe pessoas boas que lutam por este País e que não ver grandes resultado do seu esforço quantos lutaram e lutam por um País, acredito nisso por que si não tava muito pior. Qual é a tua obra??? continuar lendo

Guilherme Medeiros, diria mais ou menos o mesmo que citou sobre o texto em questão. continuar lendo

Caro sr. Guilherme Medeiros. Gostaria de vé-lo transitar nas ruas de Newark após as 22:00 hs. Outra coisa...., querer comparar Brasil com EUA é a mesma coisa que querer comparar o time do Cruzeiro com o time do meu bairro. Educação, leis rígidas, blá...blá...blá... O nosso povo não é politizado, nem aqueles que têm alta escolaridade. Ex: quantas vezes o sr. foi ao longo da sua vida na câmara municipal da sua cidade cobrar do seu vereador as promessas de campanha para o seu município? Prefeito, deputados, governador, etc? Sem mais, prefiro não prosseguir. continuar lendo

Boa tarde a todos
Levo seguindo os resultados dessa pesquisa mexicana há vários anos, com muita desilusão, como não podia ser de outra maneira.

O artigo é bastante esclarecedor nos dados e nesse pequeno esboço da solução, onde se fala em educação, renda, saúde e IDH. Acho que cada cidadão brasileiro tem uma solução ao problema, mas escuto poucas propostas concretas e aplicáveis no curto prazo.

Só há um item que não posso estar no lado mais oposto ao autor. Esse desabafo histórico onde descreve uma colonização portuguesa e espanhola violenta e ignorante. Se isso fosse verdade, me explique porque precisamente Portugal e Espanha são os países menos violentos da Europa. Se isso fosse minimamente certo, me explique porque até os anos 50 o Brasil era um dos países mais seguros do mundo. Veja só que fácil é por a culpa em outros:
Qualquer um pode afirmar com dados na mão, que o Brasil era um país sem violência até a chegada da emigração do leste europeu, os países mais violentos da Europa. E até posso fazer uma extrapolação, isso é tão certo, como dizer que na Espanha não existia violência até a chegada da massiva emigração romena no começo do século XXI

Estou triste e abatido, porque continuamos sendo cretinos e botando a culpa na colonização. Quanto tempo faz que o Brasil é um país livre? Por que não adotou outro rumo? Ou melhor, talvez o autor do artigo (com apelido espanhol) prefira fazer um crivo no DNA brasileiro e eliminar a parte latina violenta. Lembrem, os iberos são muito violentos, mas é só no Brasil que existem tribos com sua cultura intacta, não nos USA, não no Canadá, não na Austrália. São os iberos os violentos, mas só os saxões e eslavos continuam a bombardear outros países.

Eu sou brasileiro, filho de um brasileiro de origem portuguesa e uma galega de origem celta, resumindo, sou filho das culturas mais ricas e pacificas da Europa. Ao contrario do Papa, se alguém falar mal da minha mãe, eu só posso responder com palavras.

Não é culpa do Cabral, não é culpa do Pombal, não é culpa do Bragança, não é culpa do Aleijadinho. Não, a culpa da violência no Brasil não é culpa dos meus pais, é culpa minha, e só minha.

P.D.: a propósito, quando é mencionado o Mapa da Violência, é referido ao relatório feito por um argentino chamado Waiselfisz, que recebe prêmios da presidenta Roussef? Esse é aquele relatório onde nunca aparecem cidades Argentinas, Romenas, Russas, Birmanesas, Chinesas, etc. (por não mencionar países em conflito)? continuar lendo

Excelente texto o seu! continuar lendo

Com a Lei e a campanha de desarmamento da população honesta houve uma [já esperada] redução no número de homicídios praticados por cidadãos comuns. Desarmada, a população deixou de resolver problemas na bala. Os números foram muito divulgados e festejados pelo governo desde então. Entretanto, o número de armas e a violência aumentaram sensivelmente. Só que agora as armas estão nas mãos de criminosos.
Em resposta, o governo “aplica” em Segurança Pública mais de R$ 260 bilhões de reais (só em 2014), abarrota o Judiciário e já conquistou o 3º lugar no mundo em superlotação carcerária, sendo boa parte ainda sem julgamento.
Matam nossas crianças e se repete à exaustão que a solução está em diminuir a idade penal, em “aplicar” mais e mais penas, mais polícia, mais cadeias, mais leis, mais dinheiro público. Será?
O que se deve perguntar é de onde vem todo esse dinheiro da criminalidade a possibilitar a compra de tantas armas, a corrupção de policiais, juízes, parlamentares e, principalmente, pagar “salários” tão atraentes para nossas crianças tornarem-se “jovens aprendizes” da criminalidade?
É preciso enfrentar o problema de frente, sem hipocrisia, estudando as soluções e exemplos de outros países para uma discussão séria e atitudes corajosas. continuar lendo

Ótima opinião. Quem conhece o mínimo de Direito Penal sabe que ele não tem eficácia alguma para reduzir a criminalidade. A melhor solução para diminuir a criminalidade, sem sombra de dúvida, é na raiz do problema, ou seja, investir em educação educação. continuar lendo

Wagner! Dizer que o desarmamento do cidadão reduziu a criminalidade é inverter a realidade! Pois o cidadão que possui um pingo de instrução e não é analfabeto político, sabe que para o PT insistir tanto para construir aquele Estatuto RIDÍCULO , só teve uma única pretensão "enfraquecer a sociedade". Pois passaram por cima até mesmo do Referendo, onde ficou comprovado que em alguns Estados 90% da população era contra essa "babaquice". Pois nesse período, o numero de explosões à bancos aumentou, assim como assaltos a mão armada tanto em carros fortes como no comércio, além de crimes passionais, pois quem quer matar procura sempre alguma arma no mercado negro, ele não vai numa loja comprar! Ou nem usa armas de fogo, pois até pedrada na cabeça mata. As armas de fogo já existem a mais de 500 anos, e todo e qualquer cidadão de país desenvolvido sabe pra que ela serve! Portanto, associar o desarmamento com uma possível redução da violência é andar na contra mão do problema! E isso está comprovado no brasil, com seus mais de 50 mil assassinatos por ano. Aliás, essa história de que antes tudo era resolvido na bala, como vc falou, também não faz o mínimo sentido, pois numa sociedade onde todo o cidadão possui uma arma, existe o respeito, pois ninguém é louco a ponto de dar o primeiro disparo, sabendo que o outro pode ter um poder de fogo ainda maior...

"Emílio Font" : Aqui no RS a reprovação do desarmamento foi algo em torno de 90%, basta pesquisar. Que por sinal é o Estado com mais armas legalizadas e nem por isso é o Estado mais violento do brasil! Portanto sua teoria de que quanto menos armas menos crimes, já caiu por terra... Além disso, citemos o país mais desenvolvido do mundo, onde o indivíduo já sabe o que é uma arma antes mesmo da maior idade, e o índice de homicídios é apenas "5x" menor do que no brasil! Ademais, mesmo que o índice nacional tenha sido 64% de reprovação ao desarmamento, é mais uma prova de que esse DESgoverno ANTIDEMOCRÁTICO, VIOLOU os interesses da nação, e legislou mais uma vez em causa própria, ferindo um dos princípios mais sagrados de uma nação, que é a DEMOCRACIA! continuar lendo

E o Barba Azul, vulgo pai dos pobres, ainda vem contar vantagem. Doze anos no poder e a violência só aumentou, o que, desde logo, já contradiz os supostos programas sociais do dito governo.
Para piorar, ainda nos autoproclamamos pessoas criativas (já imaginaram se não fôssemos!?!?!?)
O Brasileirro é muito metido a machão e como diz o ditado: no cemitério e nas cadeis está cheio de machões. continuar lendo

Gente mentir menos faz bem: diferente do que disse o Sr.Guilherme Medeiros o resultado do plebiscito do desarmamento foi 64% contra e 36% a favor e o fato é: países que tem menos armas per capita tem menos homicídios, simples assim. Basta ver alguns países Desenvolvidos que possuem uma legislação extremamente restritiva ao uso de armas, começando pela Inglaterra. continuar lendo

Minha sincera opinião a cerca deste comentário;

Para prender um delinquente, utiliza uma viatura com quatro policiais, é levados para delegacia, instaura inquérito, faz a investigação, o indivíduo fica na carceragem aguardando o conclusão caso confirmado, o delegado solicita a prisão preventiva. ai chega o ADVOGADO de defesa, verifica que o inquérito está irregular e solicita o habeas corpus que prontamente é concedido perante a lei. Resumindo.O crime compensa e tem mais,não existe trabalho forçados para estes prisioneiros, somente, comida, visita íntima, banho de sol e auxílio reclusão.A maioria dos criminosos, estão por conta são o do tráfico de drogas que tem um mercado gigantesco.Droga não paga imposto, gera riqueza (Bancos e Traficantes), Advogados de defesa, mercado de luxo, lucro absurdo e como não temos controle sobre a fronteira, e o nosso judiciário sobrecarregado com os processos de grande repercussão.Acompanhe o relato do Juiz do Mato Grosso como vive.

Reflexão Falta quantas mortes para o governo declarar uma GUERRA INSTALADA no BRASIL????? continuar lendo

A desigualdade e a crescente perda de valores patrocinada pelo capitalismo, cada vez mais selvagem, são determinantes para esses indicices.
A SOLUÇÃO ESTÁ NO SOCIALISMO?
Não, a solução está no coração das pessoas que precisam construir uma sociedade mais fraterna. continuar lendo

A solução está em acabar com os vagabundos deste país, começando pelos políticos, pois vejo que tem muita gente que ainda acredita que trocando de governo ou de partido político as coisas vão melhorar. Não temos investimento em educação, saúde, segurança, aliás não temos investimento em nenhum setor, temos que fazer uma limpeza geral nos velhos políticos e mudar o sistema para que os novos representantes do povo respeitem o povo, tenham consciencia que quem manda nas cidades, nos estados e no país é o povo. Considero ainda que a grande culpa pela violencia que assola o país cabe aos advogados criminalistas, que enriquecem com o dinheiro sujo de todo tipo de crime cometido neste país, amparados por leis tão ignorantes e imbecis quanto os legisladores que as criaram, aliás, eu acho que um juiz para fazer com que uma lei imbecil seja cumprida ele tem que ser mais imbecil que a própria lei, pois não está julgando nada e simplesmente fazendo valer o que está escrito, como no jogo do bicho. continuar lendo