jusbrasil.com.br
16 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    Ocultação de cadáver. Crime permanente. Flagrante

    Luiz Flávio Gomes, Político
    Publicado por Luiz Flávio Gomes
    há 10 anos

    Tese do Ministério Público Federal sobre os crimes praticados durante a ditadura fundamenta interpretação jurídica que justificou a prisão em flagrante por ocultação de cadáver cometido há dois anos atrás.

    O caso está sob a análise da Polícia de Peruíbe e se trata de fato provavelmente ocorrido há aproximados dois anos: uma mulher teria supostamente matado sua irmã, portadora de problemas mentais e necessidades especiais físicas, e ocultado seu cadáver sob uma fina camada de concreto de uma casa desabitada. Recentemente demonstramos nossa concordância com a ação do Ministério Público Federal que pretendia acionar judicialmente responsáveis pelos crimes praticados durante a ditadura militar, sob o argumento de que se tratam de crimes permanentes e, portanto, não prescreveram. Leia mais em: Procuradores irão processar criminalmente os crimes da ditadura militar.

    De acordo com o que foi noticiado pelo Conjur, o delegado justificou a conduta de ter prendido a acusada em flagrante no raciocínio acima mencionado. O Procurador da República Ivan Cláudio Marx teria assim se manifestado por ocasião da ação contra os crimes militares: “O raciocínio com o qual trabalhamos, aceito pela maior parte dos países que viveram situações semelhantes, é de que o crime de sequestro e ocultação de cadáver, agravado por maus-tratos, é um crime permanente. Isso significa que continua sendo perpetrado enquanto a pessoa não é localizada, enquanto não se esclarece o que aconteceu”.

    A Polícia de Peruíbe teria recebido uma denúncia anônima e após diligências encontrou ossos humanos no local indicado, sendo que a acusada confessou que seriam restos mortais da sua irmã, negando, contudo, a autoria do homicídio.

    O delegado prendeu a acusada em flagrante e deve pedir sua preventiva, já que é possível que ela tente frustrar as investigações.

    “Ora, se tal fundamento jurídico do MPF foi válido para o ajuizamento de uma ação penal, ele é mais válido ainda para embasar a autuação dos acusados daqui de Peruíbe, ainda que o cadáver da vítima não exista mais, em virtude de ter atingido completo processo de esqueletização” – Del. Francisco Wenceslau, Conjur.

    Informações relacionadas

    Conselho Nacional de Justiça
    Notíciashá 5 anos

    CNJ Serviço: Conheça os diferentes tipos de homicídios

    Eduardo Luiz Santos Cabette, Professor de Direito do Ensino Superior
    Artigoshá 8 anos

    Falsa identidade e autodefesa

    Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
    Notíciashá 14 anos

    O crime de aborto qualificado admite tentativa? - Luciano Schiappacassa

    Dr Francisco Teixeira, Advogado
    Artigoshá 3 anos

    Todo crime permanente comporta prisão em flagrante?

    Superior Tribunal de Justiça
    Jurisprudênciahá 2 anos

    Superior Tribunal de Justiça STJ - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO RECURSO EM HABEAS CORPUS: EDcl no RHC XXXXX RJ 2015/XXXXX-1

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)